lemmon1_HOANG DINH NAMAFP via Getty Images_women farmers HOANG DINH NAM/AFP via Getty Images

A transição energética está a incentivar uma transição de poder

WASHINGTON, DC – Na luta para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e evitar os piores impactes das alterações climáticas, o mundo dispõe de um enorme recurso que continua largamente inexplorado: as mulheres.

Para evitar os efeitos catastróficos das alterações climáticas é necessário compreender o que – e quem – impulsiona a transformação no terreno. Investir nas mulheres, o que significa melhorar o seu acesso à educação, aos recursos económicos e ao capital, dá aos governos uma oportunidade de lutar para atingirem os seus ambiciosos objetivos climáticos.

Vários estudos mostraram como o avanço da igualdade de género pode estimular a ação climática. Os Estados com maior proporção de mulheres nos seus órgãos legislativos têm mais probabilidade de aprovar acordos e tratados ambientais. E quando há mais mulheres envolvidas em decisões de grupo sobre a gestão de terras, o grupo preserva mais. Além disso, estima-se que o aumento da produtividade das pequenas agricultoras poderia reduzir as emissões de carbono em até dois mil milhões de toneladas, até 2050.

A transição para a energia limpa exige uma transição no poder. Ou, dito de outra forma, mudar os sistemas energéticos exige mudar os sistemas de poder. Apesar de serem responsáveis por metade da produção alimentar mundial, as mulheres possuem menos de 20% das terras agrícolas do mundo. E embora as mulheres representem 45% da mão de obra agrícola nos países em desenvolvimento (e 37% em todo o mundo), recebem apenas 7% do investimento no setor. Se tivessem o mesmo acesso aos recursos produtivos que os homens, as mulheres dos países em desenvolvimento poderiam aumentar o rendimento das suas explorações agrícolas entre 20 e 30% e retirar entre 100 e 150 milhões de pessoas da situação de fome.

Neste momento, as mulheres e as raparigas carregam, de forma desproporcionada, o fardo dos efeitos das alterações climáticas. De acordo com as Nações Unidas, as mulheres representam 80% das pessoas deslocadas devido às alterações climáticas e têm 14 vezes mais probabilidades de morrer numa catástrofe relacionada com o clima do que os homens. E até 2025, as alterações climáticas poderão impedir que pelo menos 12,5 milhões de raparigas completem a sua educação todos os anos. Tal como o Fundo Malala referiu, “na sequência de choques climáticos, as famílias sob tensão retiram muitas vezes as raparigas da escola para ajudarem face ao aumento das responsabilidades domésticas – como ir buscar água e lenha – ou para se casarem cedo, a fim de aliviar o peso dos escassos recursos domésticos”. No Botsuana, estima-se que 70% das crianças que abandonaram a escola durante a seca eram raparigas, enquanto na Etiópia, o casamento infantil aumentou 119%, em média, nas regiões mais afetadas pela seca.

Quando os fenómenos meteorológicos extremos privam os chefes de família dos seus meios de subsistência e das suas casas, eles deixam de poder dar-se ao luxo de ter crianças a estudar em vez de estarem a trabalhar; por vezes, raparigas com 11 ou 12 tornam-se noivas. Isto traduz-se em talento desperdiçado e potencial perdido, bem como maternidade precoce para muitas delas. Além disso, as crianças com menos instrução têm menos competências espontâneas para práticas agrícolas sustentáveis.

SPRING SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions
PS_Sales_Spring_1333x1000_V1

SPRING SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions

Subscribe now to gain greater access to Project Syndicate – including every commentary and our entire On Point suite of subscriber-exclusive content – starting at just $49.99.

Subscribe Now

A boa notícia é que o investimento nas mulheres e nas raparigas promete elevados retornos em termos de promoção do crescimento, criação de resiliência e reforço dos esforços de adaptação. Mas tirar partido desta oportunidade exige uma mudança na criatividade e um esforço concertado para tornar as mulheres mais visíveis – especialmente em contextos de elaboração de políticas. Na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, realizada no Egito (COP27), as mulheres representavam menos de 34% dos grupos nacionais. Em 2020, as mulheres lideravam apenas 15% dos Ministérios do Ambiente em 193 países.

A mobilização de capital para apoiar as mulheres na agricultura, manter as raparigas na escola, financiar empresárias e apoiar redes de informação de emergência lideradas por mulheres é há muito reconhecida como essencial para alcançar o objetivo de crescimento económico inclusivo. Mas também contribuirá para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e manter o aquecimento global dentro do limite de 1,5 °C estabelecido pelo Acordo de Paris sobre as alterações do clima.

Imaginemos um mundo no qual as agricultoras têm igual acesso aos meios de produção, as mulheres dispõem dos fundos necessários para se tornarem empresárias do setor das energias limpas, as raparigas aprendem as competências necessárias para tirar partido dos novos empregos ecológicos e as redes lideradas por mulheres, como por exemplo a Women Wetem Weta em Vanuatu, fornecem alertas precoces de catástrofes para proteger as suas comunidades. Este é um mundo de “mais por mais”: mais crianças instruídas, mais sociedades que se conseguem sustentar e todos podem desfrutar de maior prosperidade, segurança e estabilidade.

Para concretizar esta visão, aqueles que ocupam posições de poder têm de aproveitar esta fase de perigo e de possibilidade para garantir que as mulheres e as raparigas possam realizar o seu potencial e, ao fazê-lo, apoiar a luta comum contra as alterações climáticas e os seus efeitos. A transição energética é uma oportunidade para todos nós. Para a aproveitar ao máximo, será necessário investir naqueles que a irão impulsionar.

https://prosyn.org/EVCA0Qopt