Novos campos de batalha no financiamento do desenvolvimento

PRETÓRIA – A popularidade das parcerias público-privadas (PPP) para apoiarem o desenvolvimento de infra-estruturas nos países emergentes está a crescer em todo o mundo. O G-20 apoia as PPP para impulsionar o crescimento global e criar empregos. As economias dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) encaram-nas como uma maneira de construírem infra-estruturas essenciais de forma rápida e barata. As Nações Unidas esperam que as infra-estruturas das PPP irão fornecer os meios para realizarem a sua agenda de desenvolvimento global pós-2015. O novo atractivo das PPP pode redefinir não só a economia do desenvolvimento, mas também a relação global entre países ricos e pobres – embora não necessariamente para melhor.

O facto de as PPP estarem na “crista da onda” tem três componentes essenciais: uma explosão no financiamento de infra-estruturas (apoiada por outros grandes fundos e pensões); a criação de “pipelines” de projectos lucrativos com megas PPP para explorar as matérias primas dos países; e o desmantelamento de salvaguardas ambientais e sociais. Cada um deve ser cuidadosamente monitorizado à medida que o uso das PPP se expande.

O Banco Mundial já está a procurar duplicar o seu empréstimo no espaço de uma década, através da expansão de projectos de infra-estruturas. A sua nova Instalação de Infra-estrutura Global (GIF) irá mobilizar fundos de pensões e de riqueza soberana globais para investir em infra-estruturas como uma classe específica de activos.

O mundo emergente também tem sido activo. Os BRICS anunciaram recentemente planos para um Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) para infra-estruturas e desenvolvimento sustentável. O seu primeiro Centro Regional para a África estará sediado em África do Sul. A China irá lançar um novo Banco Asiático de Investimento em Infra-estruturas. Ambos os bancos visam oferecer alternativas ao Banco Mundial liderado pelos EUA e ao Banco de Desenvolvimento Asiático liderado pelo Japão, respectivamente.

De facto, estas novas instituições de financiamento do desenvolvimento são vistas como uma reacção contra as instituições de Bretton Woods, cuja procura por políticas neoliberais de austeridade e falha para reformar as suas estruturas de governação para partilhar o poder com economias emergentes, tem sido responsabilizada por estrangular as despesas públicas, a desindustrialização e o desmantelamento dos bancos de desenvolvimento nacional.

Muitos países emergentes também levam a mal as salvaguardas sociais e ambientais do Banco Mundial, que eles vêem como comprometedoras das suas soberanias nacionais. Em resposta a esta crítica, o banco está a rever as suas garantias e mecanismos de execução. Mas a fraca supervisão do Banco Mundial deixaria beneficiários de crédito sem monitorização e imporia padrões ambientais e sociais a si mesmos – independentemente dos seus recursos ou vontade política para fazê-lo – comprometendo, assim, os esforços para defender os direitos dos povos indígenas, instalar de novo as populações deslocadas, mitigar danos ambientais ou proteger as florestas e a biodiversidade.

Subscribe to Project Syndicate
Bundle2021_web4

Subscribe to Project Syndicate

Enjoy unlimited access to the ideas and opinions of the world's leading thinkers, including weekly long reads, book reviews, topical collections, and interviews; The Year Ahead annual print magazine; the complete PS archive; and more. All for less than $9 a month.

Subscribe Now

O enfraquecimento das salvaguardas do Banco Mundial também pode desencadear uma “corrida para o fundo”, opondo investidores particulares ou estatais, novas instituições de financiamento e um banco mundial desregulamentado, uns contra os outros, enquanto provoca uma reacção popular. É por isso que é importante ter grupos de cidadãos que possam intervir para garantir que os investimentos funcionam com imparcialidade. Apesar de grupos da sociedade civil monitorizarem há muito tempo o “lado da oferta” – o financiamento de projectos – muitas vezes ignoram a “procura” – nomeadamente, o valor e os impactos dos projectos que estão a ser implementados.

Este é especialmente o caso para investimentos de infra-estruturas em energia, água, transportes e tecnologia da informação e comunicação (TIC). O Programa para o Desenvolvimento de Infra-estruturas em África, por exemplo, planeou o valor de 360 mil milhões de dólares de “mega projectos susceptíveis de financiamento” nestes sectores por volta de 2040. O PDIA dá prioridade aos projectos de energia (especialmente hidroeléctrica) para apoiar as operações de mineração e oleodutos e gasodutos, deixando ao mesmo tempo de lado as tecnologias de energias renováveis, tais como a solar, a eólica e a geotérmica. Preocupações semelhantes rodeiam o projecto “pipelines” da Iniciativa para a Integração de Infra-estruturas Regionais na América do Sul e do Fundo de Infra-estruturas ASEAN na Ásia.

Embora alguns projectos PPP ofereçam retornos elevados, eles também exigem garantias adicionais pesadas do governo anfitrião para compensar o risco do sector privado. Desta forma, as tensões fundamentais são criadas tanto na forma como estes negócios são colocados juntos como na condução geral de integração Norte-Sul e Sul-Sul.

Por exemplo, grupos poderosos e corporações transnacionais (tais como o Fórum Económico Mundial, a General Electric e a Rio Tinto) estão a ganhar influência dentro do G-20, do G-7 e dos BRICS, cujos membros competem entre si para acederem aos recursos e aos mercados. Essa competição dispõe agora de novas Instalações de Preparação de Projectos de Infra-estruturas (IPPI) para acelerar e replicar grandes PPP com uma preocupante dependência das grandes barragens e infra-estruturas de combustíveis fósseis, tais como o gasoduto de fornecimento de gás da Nigéria para a União Europeia – uma das principais prioridades do PDIA que implica um progresso lento em direcção a um futuro com baixo carbono.

Com efeito, a luta pela sustentabilidade, especialmente em África, está a tornar-se num novo campo de batalha, apresentando utilizações eficazes por parte dos BRICS, do G-20, da Cooperação Económica Ásia-Pacífico (APEC), da Mercosul e outros agrupamentos internacionais e interesses locais. Para entender como isto se desenrola é necessário um novo paradigma de desenvolvimento rigoroso. Isso é um desafio difícil, porque as organizações da sociedade civil com o maior interesse em aprender a lidar com as novas pressões tendem a se especializarem em áreas específicas de desenvolvimento, tais como os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, ou em questões sectoriais, em vez de terem uma visão mais ampla de como as instituições de financiamento do desenvolvimento e os seus grandes acionistas operam. Um Fórum Social Mundial revivido pode assumir a tarefa, ao reverter à sua intenção original de ser um contrapeso para o FSM.

Em África, organismos pan-africanos incumbidos de fiscalização coordenada e de autoridade para a definição da agenda devem ser julgados quer as mega PPP nas infra-estruturas reforcem uma extracção de estilo colonial e a economia de consumo, quer criem uma economia saudável e sustentável para as gerações vindouras.

https://prosyn.org/OXYES6fpt