skierka2_SAM PANTHAKYAFP via Getty Images_solar farm india SAM PANTHAKYAFP via Getty Images

Pensar em pequena escala para combater as alterações climáticas

SÃO FRANCISCO/WASHINGTON, DC – O termo “sem precedentes” quando é aplicado a secas, incêndios florestais, furacões, inundações ou outros eventos climáticos extremos, está a ficar ultrapassado. Em agosto, quando o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas divulgou o seu mais recente relatório sobre as terríveis realidades que enfrentamos, uma seca agravada pelo aquecimento global já tinha devastado grande parte da África Austral durante anos.

Parece que os líderes mundiais estão finalmente prontos para uma ação significativa, mas há um grupo decisivo regularmente ausente das principais reuniões climáticas, como a recente Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26) em Glasgow: pequenas empresas locais focadas no clima que já estão a fazer diferença nas suas comunidades. As pequenas e médias empresas (PME) que trabalham na adaptação e mitigação do clima são um parceiro crucial, mas subestimado, na luta para reduzir as emissões.

Embora as opções de financiamento climático estejam a aumentar, o papel das PME no desenvolvimento sustentável continua a ser ignorado.  Mais de 200 milhões de PME de todos os tipos partilham a mesma situação difícil nos países em desenvolvimento que não conseguem os fundos de que precisam para crescer, enfrentando um défice de financiamento anual estimado em 5,2 biliões de dólares. Os investidores internacionais concentram-se em obter dólares através de transações de maior envergadura, enquanto o capital local é mantido à margem devido a elevadas exigências de garantias e taxas de juro incontroláveis ​​para empresas em fase inicial.

As PME representam 90% das empresas e fornecem mais de 50% dos empregos em todo o mundo, de acordo com o Banco Mundial, portanto, têm um papel fundamental a desempenhar na criação de oportunidades nas economias que lutam para recuperar da pandemia de COVID-19. Exemplos como a SELCO India, uma empresa pioneira de energia solar não ligada à rede, e a Husk Power, uma fornecedora inovadora de energia renovável pré-paga que opera na Ásia e na África, mostram que, com a quantidade e o tipo certo de financiamento e suporte técnico, as pequenas empresas podem melhorar a vida das pessoas através do acesso à energia – uma importante meta internacional. As energias renováveis ​​não ligadas à rede também ajudam a impulsionar a mobilidade sustentável em cenários rurais e urbanos.

As pequenas empresas também têm um papel importante a desempenhar na agricultura ecológica. O uso dos solos para a produção agrícola e pecuária é responsável por 24% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa e as explorações agrícolas e pecuárias são vulneráveis ​​a secas, inundações e aumento da temperatura. Financiar empresários agrícolas inteligentes que se adaptam às condições climatéricas é essencial para tornar os nossos sistemas alimentares mais resilientes. Aqui, também, a energia renovável não ligada à rede tornou-se indispensável, fornecendo energia para irrigação, processamento de grãos e fazendo funcionar as câmaras frigoríficas e os refrigeradores necessários para armazenar laticínios, frutos do mar frescos e frutas e vegetais. Na Índia, a Technoserve está a ajudar pequenas explorações agrícolas e pecuárias a resistirem e a adaptarem-se à crise climática, e a aumentarem a sua produtividade sem aumentar as emissões.

Tal como mostram estes exemplos, quando as pequenas empresas têm o financiamento e o apoio de que precisam, elas podem impulsionar o crescimento económico e, ao mesmo tempo, mitigar as emissões e apoiar a adaptação às alterações climáticas. Isso ocorre porque as pequenas empresas são mais ágeis e adaptáveis – e respondem às necessidades locais com muito mais rapidez e eficácia – do que as grandes organizações. Também oferecem aos governos e políticos uma oportunidade de experimentarem novas ideias, revelando as armadilhas e as melhores práticas antes que as iniciativas sejam dimensionadas à escala regional ou nacional.

SPRING SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions
PS_Sales_Spring_1333x1000_V1

SPRING SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions

Subscribe now to gain greater access to Project Syndicate – including every commentary and our entire On Point suite of subscriber-exclusive content – starting at just $49.99.

Subscribe Now

Alcançar a meta mundial das zero emissões líquidas exige que os governantes, investidores, bancos e outros atendam às necessidades das PME com muito mais eficácia do que no passado. Para começar, o mundo precisa de muitos mais veículos e instrumentos financeiros adaptados às pequenas empresas que desenvolvem uma economia verde. Isso significa uma combinação de baixo custo, capital a longo prazo e finanças combinadas, bem como um acesso mais fácil.

O mundo também precisa de mais aceleradores de empresas focados na adaptação às alterações climáticas. Existem apenas 25 aceleradores ecológicos desse género localizados em países não pertencentes à OCDE. O financiamento de investigações e o estabelecimento de redes profissionais proporcionarão suporte a empresas com forte potencial de crescimento.

Serão necessários melhores indicadores de desempenho para avaliar o sucesso. Isso não significa diminuir os padrões ambientais, sociais e de governação. Pelo contrário, significa projetar indicadores específicos para empresas verdes no setor das PME, de forma a ajudá-las a demonstrar a sua eficácia e atrair mais investimento.

Por fim, os investidores não devem ignorar as mulheres, que produzem até 80% dos alimentos no Sul Global. As mulheres também são as mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas. Investir nas mulheres empresárias pelo clima beneficia o clima, a produção de alimentos e a prosperidade em geral.

As pequenas empresas são essenciais para a mitigação, adaptação e resiliência às alterações climáticas. Fornecer-lhes o financiamento e o suporte necessários para ajudá-las a ter sucesso é do interesse de todos.

https://prosyn.org/zLNFNX2pt