meza1_MAYELA LOPEZAFP via Getty Images_costa rica MAYELA LOPEZAFP via Getty Images

A natureza não pode esperar

SAN JOSÉ – Este ano, a Costa Rica comemora 200 anos de independência. É uma oportunidade para homenagear os nossos antepassados ​​e pensar nos nossos descendentes, e convidamos o mundo a comemorar connosco. Aqueles que não podem participar pessoalmente devem fazê-lo protegendo os solos e os oceanos da Terra, a fonte de toda a vida.

Especificamente, os governos, as empresas, as comunidades e os indivíduos devem comprometer-se a conservar pelo menos 30% dos solos e oceanos do planeta, até 2030. Os cientistas determinaram que esta meta “30x30” é o nível mínimo de conservação necessário para evitar uma perda catastrófica da natureza e para conter as alterações climáticas.

Mas a meta 30x30 não acontecerá por si só; exigirá tempo, atenção e dinheiro. Os economistas estimam que atingir esse objetivo – conservando as áreas selvagens intactas mais importantes do mundo e recuperando habitats degradados cruciais – representaria menos de um terço do valor que os governos gastam em subsídios para atividades que destroem a natureza. É encorajador que nove grandes organizações filantrópicas tenham recentemente prometido 5 mil milhões de dólares para o esforço 30x30, a maior doação feita à natureza na história.

Outros devem agora seguir o seu exemplo. Sessenta por cento das populações da vida selvagem terrestre do mundo desapareceram, desde 1970, equase um terço dos stocks de peixes no mundo estão a ser explorados a um nível insustentável. A destruição de áreas naturais também liberta grandes quantidades de gases com efeito de estufa, contribuindo para as alterações climáticas.

É verdade que o custo para proteger a natureza pode parecer elevado, principalmente à medida que os países enfrentam as consequências económicas da pandemia de COVID-19. Mas é menos de 1% do PIB mundial (cerca de87 biliões de dólares em 2019) e pouco mais de um terço dos quase 2 biliões de dólares em gastos militares totais em todo o mundo, em 2020.

SPRING SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions
PS_Sales_Spring_1333x1000_V1

SPRING SALE: Save 40% on all new Digital or Digital Plus subscriptions

Subscribe now to gain greater access to Project Syndicate – including every commentary and our entire On Point suite of subscriber-exclusive content – starting at just $49.99.

Subscribe Now

Além disso, esta soma é uma fração do que as economias perderiam se os ecossistemas decisivos falhassem. O Banco Mundial estimou recentemente que o colapso de três serviços ecossistémicos - polinização, fornecimento de alimentos provenientes da pesca marinha e madeira das florestas nativas - poderia reduzir o PIB mundial anual em 2,7 biliões de dólares.

Como não podemos depender apenas de filantropos privados para pagar a conta, os investimentos mundiais necessários têm de provir de uma combinação de financiamento público e privado aprimorado. Cada país tem de se comprometer com a sua parte, com o G7 em particular a liderar o caminho com sólidas promessas de financiamento.

Os governos poderiam disponibilizar recursos adicionais, eliminando gradualmente os subsídios que prejudicam a natureza, em vez de protegê-la. Por exemplo, os países estão atualmente a negociar na Organização Mundial do Comércio acabar com os 35 mil milhões de dólares em subsídios para a pesca anuais que apoiam as frotas industriais em grande escala e têm causado o esgotamento dos stocks de peixes no mundo.

Uma parte substancial dos fundos de que precisamos deve ir para os países de baixo rendimento que acolhem a maior parte da biodiversidade mundial. A Costa Rica, por exemplo, representa apenas 0,03% da massa terrestre do planeta, mas contém cerca de 5% da sua biodiversidade. Além disso, fundos significativos devem ser dedicados à proteção dos direitos à terra dos povos indígenas e comunidades locais, que são os melhores e mais rentáveis administradores da natureza.

A natureza recompensar-nos-á muitas vezes pelos investimentos que fizermos. Os benefícios económicos de proteger 30% dos solos e oceanos do mundo, até 2030 – incluindo a criação de empregos em setores como a silvicultura e o turismo – provavelmente superariam os custos numa proporção depelo menos cinco para um.

A economia da Costa Rica é baseada em atividades positivas para a natureza, como conservação de florestas, geração de eletricidade renovável e proteção da biodiversidade. Desde a década de 1980, o país parou e depois reverteu a perda florestal, enquanto a economia cresceu cerca de 250% em termos reais. Temos, atualmente, um sistema de parques nacionais e áreas protegidas que cobrem mais de 26% da nossa superfície terrestre.

Ganhar um dos primeiros prémios Earthshot ajudar-nos-á a repetir no oceano o nosso sucesso em terra. Este ano, já está em andamento um processo ambicioso para ampliar as áreas protegidas de menos de 3% do nosso território oceânico para quase 30% prometidos na nossa contribuição determinada nacionalmente em 2020 ao abrigo do Acordo do clima de Paris. O meu objetivo é realizar esta expansão massiva antes de deixar o cargo.

O impulso em direção à meta 30x30 está a crescer. AColigação de Elevada Ambição para a Natureza e as Pessoas, liderada por Costa Rica, França e Reino Unido, envolveu mais de 70 países em apoio a esse objetivo. E a meta 30x30 tornou-se uma característica crucial da versão mais recente do Quadro Mundial para a Biodiversidade, que deverá ser finalizado por 196 países na Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica (CDB COP15) em Kunming, China, em 2022.

Mas as ações dizem mais do que as palavras. Os governos, as empresas e toda a sociedade têm de dedicar os recursos financeiros necessários para se atingir a meta 30x30.

A natureza é a derradeira fonte de toda a nossa água doce, alimentos, ar puro e recursos genéticos para a medicina e a indústria. Mantém os elementos patogénicos perigosos sob controlo, ajuda a controlar o carbono no solo e gera empregos ecológicos. É uma fonte insubstituível de criatividade humana e de saúde espiritual e mental.

A humanidade está enredada na natureza. Uma vez que somos capazes de destruí-la, somos responsáveis por protegê-la. Vamos decidir agora investir os fundos necessários para cumprir essa responsabilidade antes que seja demasiado tarde.

https://prosyn.org/7ngkC21pt