Marine le pen Chesnot/Getty Images

O segundo Ano da Europa

NOVA IORQUE – Há mais de quatro décadas, o conselheiro de segurança nacional dos Estados Unidos, Henry Kissinger, declarou que 1973 seria “o Ano da Europa”. Com isso, pretendia sublinhar a necessidade de modernização do relacionamento Atlântico e, mais especificamente, a necessidade dos aliados Europeus da América colaborarem mais com os Estados Unidos no Médio Oriente, e contra a União Soviética na Europa.

Kissinger seria o primeiro a admitir que os Europeus não responderam ao seu repto. Mesmo assim, enfrentamos novamente um ano da Europa. Desta vez, porém, o ímpeto vem menos de um governo frustrado nos EUA do que do interior da própria Europa.

O que está hoje em jogo é tão ou mais importante do que o que estava em jogo em 1973. A Rússia não mostra sinais de retirar da Crimeia, ou de suspender os seus esforços para desestabilizar a Ucrânia oriental. Existe uma preocupação genuína de que a Rússia possa aplicar tácticas semelhantes contra um ou mais dos pequenos países da OTAN com que faz fronteira.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/wuDeS1E/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.