A mining excavator Kirill Kikhmar/Getty Images

A liderança em matéria climática implica acabar com a produção de combustíveis fósseis

VANCOUVER/BERLIM – O fim da era dos combustíveis fósseis está no horizonte. Perante um contexto em que as energias renováveis, como a solar e a eólica, superam as expectativas, em que o aumento do número de veículos eléctricos excede largamente as estimativas e em que os governos de todo o mundo reconhecem a necessidade urgente de fazer face às alterações climáticas, o diagnóstico está feito.

The Year Ahead 2018

The world’s leading thinkers and policymakers examine what’s come apart in the past year, and anticipate what will define the year ahead.

Order now

Contudo, ainda assim, a questão central não está a ser seriamente considerada: de que plano dispomos para nos libertarmos da dependência do petróleo, do carvão e do gás?

Esta questão torna-se cada vez mais urgente, porque os governos de todo o mundo, desde Argentina até à Índia e à Noruega, estão a apoiar projectos para continuar a produzir combustíveis fósseis e aumentar a prospecção. Estes governos argumentam que os novos projectos de combustíveis fósseis estão em consonância com os compromissos assumidos no âmbito do acordo climático de Paris, apesar do facto de a combustão, mesmo apenas dos combustíveis fósseis presentes nas reservas já existentes, conduziria a temperaturas globais superiores a 2 °C acima dos níveis pré-industriais e, por conseguinte, ultrapassando em muito o limiar estabelecido no referido acordo. Isto revela uma demonstração surpreendente de dissonância cognitiva.

A realidade é que é essencial limitar a produção de combustíveis fósseis no presente, para evitar a expansão contínua das infra-estruturas energéticas e das dinâmicas políticas que dificultarão e tornarão mais oneroso o abandono dos combustíveis fósseis no futuro. Serão suscitadas questões importantes sobre a equidade: quem venderá o último barril de petróleo? Quem pagará a transição para as energias renováveis? E a quem caberá compensar as comunidades e os trabalhadores afectados? No entanto, em última instância, estas questões devem ser abordadas num contexto mais amplo da justiça climática.

As alterações climáticas foram designadas como o desafio moral da nossa era. Só neste ano, houve inundações, furacões, incêndios florestais e secas sem precedentes em praticamente todos os continentes. No entanto, a verdadeira tempestade ainda não chegou. Se quisermos evitar os seus impactos mais devastadores, a eliminação progressiva do carvão — o principal inimigo do clima — não será suficiente. O futuro seguro em termos climáticos exige o fim da era das grandes companhias petrolíferas.

A boa notícia é que a mudança social não é um processo gradual e linear. Pelo contrário, muitas vezes ocorre em ondas, caracterizadas por momentos de "pontos de rotura" causados pela confluência da evolução tecnológica, dos incentivos financeiros, da liderança política, da mudança política e, o que é mais importante, da mobilização social. Parece que estamos mito próximos de um momento deste tipo.

Para começar, a tecnologia está a evoluir a um ritmo mais rápido do que se pensou ser possível. Há vinte anos, quando começamos a trabalhar em questões climáticas, enviávamos faxes, fazíamos telefonemas a partir de linhas fixas e revelávamos fotografias tiradas em fitas de 35mm em câmaras escuras. Daqui por mais 20 anos, viveremos num mundo cuja energia é gerada pelo sol, as ondas e o vento.

Além disso, as pessoas opõem-se cada vez mais ao desenvolvimento de combustíveis fósseis, o que causa pressão política e riscos financeiros e legais. Em toda a parte, a pessoas comuns em têm envidado esforços substanciais para deter projectos que não estão em consonância com um futuro seguro em matéria de clima, através de protestos contra o Dakota Access Pipeline nos EUA ou o Kinder Morgan Trans Mountain Pipeline System no Canadá; ou associando-se ao bloqueio, pelos "kayactivists" de equipamentos de perfuração no Árctico; ou ainda recorrendo a referendos locais para pôr termos a projectos de petróleo e exploração mineira na Colômbia.

Recentemente, mais de 450 organizações oriundas de mais de 70 países assinaram a Declaração de Lofoten, que exige expressamente o declínio gerido do sector dos combustíveis fósseis. A declaração exorta à liderança da parte de quem a pode pagar, uma transição justa para as pessoas afectadas e o apoio aos países que enfrentam os desafios mais significativos.

Os países ricos devem tomar a dianteira. A Noruega, por exemplo, não é apenas um dos países mais ricos do mundo; é também o sétimo maior exportador de emissões de dióxido de carbono, e continua a permitir a exploração e o desenvolvimento de novas jazidas de petróleo e gás. A introdução de novos projectos propostos e prospectivos poderia representar um aumento de 150% da quantidade de emissões permitidas pela Noruega.

Se a Noruega quiser cumprir o seu proclamado papel de líder nos debates internacionais sobre o clima, o seu governo deve trabalhar activamente para reduzir a produção, prestando simultaneamente apoio às comunidades e aos trabalhadores afectados durante a transição. O Canadá, outro país rico que se considera um líder no domínio climático — mas que continua a desenvolver novos projectos de petróleo e gás — deveria agir de igual forma.

Alguns países já estão a dar passos na direcção certa. O Presidente francês, Emmanuel Macron, apresentou um projecto de lei para eliminar a exploração e a produção de petróleo e gás em França e nos respectivos territórios ultramarinos até 2040; o governo escocês proibiu o fracturamento hidráulico; e a Costa Rica produz actualmente grande parte da sua electricidade sem petróleo. Mas o verdadeiro trabalho ainda está por fazer: os países terão de anular os planos para novas infra-estruturas de combustíveis fósseis, bem como acabar gradualmente com os sistemas existentes.

Uma economia livre de combustíveis fósseis pode ocorrer por concepção ou por omissão. Se a desenvolvermos intencionalmente, poderemos abordar questões de equidade e direitos humanos, garantindo uma transição justa e harmoniosa e uma nova infra-estrutura energética ecologicamente viável e democraticamente controlada. Se permitimos que ocorra por omissão, muitas jurisdições irão deparar-se com gasodutos inviáveis, minas de enormes dimensões semiconstruídas e activos improdutivos que enfraquecem a economia e contribuem para a polarização política e a agitação social. Só existe uma opção razoável.

Os cidadãos de todo o mundo defendem uma visão de um futuro melhor, em que as comunidades (e não as empresas) gerem os seus recursos naturais e ecossistemas como comuns e as pessoas consomem menos, produzem menos resíduos de plástico tóxicos e desfrutam de um ambiente mais saudável. Cabe aos nossos líderes políticos concretizar essa visão. Deviam trabalhar activamente para planear uma transição justa e inteligente para um futuro livre de combustíveis fósseis, ao invés de tornar a concretização desse futuro mais difícil e mais onerosa.

 (As autoras agradecem a Hannah McKinnon da Oil Change International pela ajuda prestada na redacção deste artigo).

http://prosyn.org/kHKC5qK/pt;

Handpicked to read next

  1. Patrick Kovarik/Getty Images

    The Summit of Climate Hopes

    Presidents, prime ministers, and policymakers gather in Paris today for the One Planet Summit. But with no senior US representative attending, is the 2015 Paris climate agreement still viable?

  2. Trump greets his supporters The Washington Post/Getty Images

    Populist Plutocracy and the Future of America

    • In the first year of his presidency, Donald Trump has consistently sold out the blue-collar, socially conservative whites who brought him to power, while pursuing policies to enrich his fellow plutocrats. 

    • Sooner or later, Trump's core supporters will wake up to this fact, so it is worth asking how far he might go to keep them on his side.
  3. Agents are bidding on at the auction of Leonardo da Vinci's 'Salvator Mundi' Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images

    The Man Who Didn’t Save the World

    A Saudi prince has been revealed to be the buyer of Leonardo da Vinci's "Salvator Mundi," for which he spent $450.3 million. Had he given the money to the poor, as the subject of the painting instructed another rich man, he could have restored eyesight to nine million people, or enabled 13 million families to grow 50% more food.

  4.  An inside view of the 'AknRobotics' Anadolu Agency/Getty Images

    Two Myths About Automation

    While many people believe that technological progress and job destruction are accelerating dramatically, there is no evidence of either trend. In reality, total factor productivity, the best summary measure of the pace of technical change, has been stagnating since 2005 in the US and across the advanced-country world.

  5. A student shows a combo pictures of three dictators, Austrian born Hitler, Castro and Stalin with Viktor Orban Attila Kisbenedek/Getty Images

    The Hungarian Government’s Failed Campaign of Lies

    The Hungarian government has released the results of its "national consultation" on what it calls the "Soros Plan" to flood the country with Muslim migrants and refugees. But no such plan exists, only a taxpayer-funded propaganda campaign to help a corrupt administration deflect attention from its failure to fulfill Hungarians’ aspirations.

  6. Project Syndicate

    DEBATE: Should the Eurozone Impose Fiscal Union?

    French President Emmanuel Macron wants European leaders to appoint a eurozone finance minister as a way to ensure the single currency's long-term viability. But would it work, and, more fundamentally, is it necessary?

  7. The Year Ahead 2018

    The world’s leading thinkers and policymakers examine what’s come apart in the past year, and anticipate what will define the year ahead.

    Order now