Scientists observe biodiversity Boris Hovat/Getty Images

Fazer soar o alarme na perda de biodiversidade

NORWICH – Com a conferência sobre as alterações climáticas das Nações Unidas em curso, em Bonn, Alemanha, o aumento das temperaturas globais está mais uma vez no topo da agenda mundial. Mas porque é que nos haveriamos de importar com o aumento da temperatura, se não fosse por causa de seu impacte na vida na Terra, incluindo a vida humana?

The Year Ahead 2018

The world’s leading thinkers and policymakers examine what’s come apart in the past year, and anticipate what will define the year ahead.

Order now

Essa é uma questão importante a considerar, tendo em conta a relativa falta de atenção dedicada a uma ameaça intimamente relacionada e igualmente importante para a sobrevivência humana: o ritmo alarmante da perda de biodiversidade global.

A disponibilidade de alimento, água e energia – elementos de base fundamentais na segurança de cada país – depende de ecossistemas saudáveis, robustos e diversificados, e da vida que lá habita. Mas, como resultado de atividades humanas, a biodiversidade planetária está agora a diminuir a um ritmo mais rápido do que em qualquer outra época da história. Muitos governantes, no entanto, ainda têm de reconhecer que a perda de biodiversidade é uma ameaça tão grave como a subida do nível do mar e os cada vez mais frequentes fenómenos meteorológicos extremos.

Esta inexistência de devida atenção surge, apesar dos compromissos internacionais para proteger a biodiversidade. Em outubro de 2010, líderes mundiais reuniram-se em Aichi, Japão, onde realizaram o Plano Estratégico para a Biodiversidade 2011-2020, que incluiu 20 metas ambiciosas – tais como reduzir para metade a perda de habitats a nível global e acabar com a pesca excessiva – que os signatários concordaram alcançar até 2020. Salvaguardar a biodiversidade também está especificamente incluída nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Ainda assim, o progresso em direção a estes objetivos de biodiversidade a nível global é suscetível de ficar perigosamente aquém do que é necessário para garantir um futuro aceitável para todos.

Os governantes chegaram a um amplo consenso sobre a importância de manter o aumento da temperatura global a menos de 2 ºC acima dos níveis pré-industriais - o objetivo do Acordo climático de Paris. Mas muitos poucos líderes têm demonstrado qualquer sentimento de urgência em relação às perdas de biodiversidade decorrentes. O futuro sustentável que queremos depende do fim dessa indiferença.

Visando esse objetivo, a Plataforma Integovernamental Político-Científica sobre a Biodiversidade e os Serviços Ecossistémicos (IPBES), à qual eu presido, irá divulgar uma série de relatórios históricos, no próximo mês de março, sobre as implicações da diminuição da biodiversidade. Elaboradas durante três anos por mais de 550 peritos de cerca de 100 países, estas avaliações de especialistas irão abranger quatro regiões do mundo: Américas, Ásia e Pacífico, África, e Europa e Ásia Central. Um quinto relatório abordará o estado de degradação e recuperação do solo a nível regional e global.

Os relatórios irão destacar tendências e futuros plausíveis, delineando as melhores opções políticas disponíveis para abrandar a degradação dos ecossistemas: dos recifes de coral às florestas tropicais. Em conjunto, as avaliações da IPBES representarão a perspetiva consensual da comunidade científica global sobre o estado da biodiversidade e dos serviços ecossistémicos.

Além disso, os relatórios irão destacar as estreitas ligações entre a perda de biodiversidade e as alterações climáticas, que deverão ser abordadas em simultâneo. O mundo não será capaz de cumprir os objetivos do Acordo de Paris – ou sequer muitos dos ODS – a menos que tenha em conta o estado da biodiversidade e dos serviços ecossistémicos.

Hoje, a maioria dos governos separa as suas autoridades ambientais das que se focam na energia, na agricultura e no planeamento. Isso torna difícil abordar as alterações climáticas ou as perdas de biodiversidade de forma holística. São necessários novos tipos de estruturas de governação inovadoras para superar estas barreiras políticas.

Após a divulgação dos relatórios regionais da IPBES, no próximo ano, será publicada uma avaliação global baseada neles, em 2019. Esta será a primeira visão geral global da biodiversidade e dos serviços ecossistémicos desde a fidedigna Avaliação dos Ecossistemas do Milénio de 2005. Examinará a saúde dos ecossistemas terrestres, de água doce e marinhos, e o impacte de fatores incluindo a acidificação, a subida das temperaturas da superfície do mar, o comércio, as espécies invasoras, a pesca excessiva, a poluição e mudanças no uso dos solos.

O sucesso dos esforços para reverter os usos insustentáveis dos recursos naturais do mundo exigirá que os governantes reconsiderem o valor da biodiversidade para os seus cidadãos, ambientes e economias. Mas o primeiro passo é garantir que temos disponível o melhor conhecimento avaliado pelos pares, para tomar decisões consistentes; as próximas avaliações da IPBES levar-nos-ão nessa direção.

Se todas as consequências das alterações climáticas devem ser abordadas na nossa época, temos de reconhecer que a atividade humana está a fazer mais do que apenas adicionar alguns graus de temperatura à previsão anual. No início do próximo ano, teremos os dados sobre a biodiversidade e os serviços ecossistémicos para prová-lo e as opções políticas para mudar de rumo.

http://prosyn.org/3Oloqme/pt;

Handpicked to read next

  1. Patrick Kovarik/Getty Images

    The Summit of Climate Hopes

    Presidents, prime ministers, and policymakers gather in Paris today for the One Planet Summit. But with no senior US representative attending, is the 2015 Paris climate agreement still viable?

  2. Trump greets his supporters The Washington Post/Getty Images

    Populist Plutocracy and the Future of America

    • In the first year of his presidency, Donald Trump has consistently sold out the blue-collar, socially conservative whites who brought him to power, while pursuing policies to enrich his fellow plutocrats. 

    • Sooner or later, Trump's core supporters will wake up to this fact, so it is worth asking how far he might go to keep them on his side.
  3. Agents are bidding on at the auction of Leonardo da Vinci's 'Salvator Mundi' Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images

    The Man Who Didn’t Save the World

    A Saudi prince has been revealed to be the buyer of Leonardo da Vinci's "Salvator Mundi," for which he spent $450.3 million. Had he given the money to the poor, as the subject of the painting instructed another rich man, he could have restored eyesight to nine million people, or enabled 13 million families to grow 50% more food.

  4.  An inside view of the 'AknRobotics' Anadolu Agency/Getty Images

    Two Myths About Automation

    While many people believe that technological progress and job destruction are accelerating dramatically, there is no evidence of either trend. In reality, total factor productivity, the best summary measure of the pace of technical change, has been stagnating since 2005 in the US and across the advanced-country world.

  5. A student shows a combo pictures of three dictators, Austrian born Hitler, Castro and Stalin with Viktor Orban Attila Kisbenedek/Getty Images

    The Hungarian Government’s Failed Campaign of Lies

    The Hungarian government has released the results of its "national consultation" on what it calls the "Soros Plan" to flood the country with Muslim migrants and refugees. But no such plan exists, only a taxpayer-funded propaganda campaign to help a corrupt administration deflect attention from its failure to fulfill Hungarians’ aspirations.

  6. Project Syndicate

    DEBATE: Should the Eurozone Impose Fiscal Union?

    French President Emmanuel Macron wants European leaders to appoint a eurozone finance minister as a way to ensure the single currency's long-term viability. But would it work, and, more fundamentally, is it necessary?

  7. The Year Ahead 2018

    The world’s leading thinkers and policymakers examine what’s come apart in the past year, and anticipate what will define the year ahead.

    Order now