tubiana18_Beata ZawrzelNurPhoto via Getty Images_EUflaggreenclimate Beata Zawrzel/NurPhoto via Getty Images

O que é que as eleições da UE significam para a política climática europeia?

PARIS – Estas últimas semanas têm sido difíceis para quem está empenhado em alcançar uma Europa mais verde e progressista. Nas eleições para o Parlamento Europeu, os partidos de extrema-direita conquistaram cerca de 20% dos votos e garantiram quase um quinto de todos os assentos. No meu país, França, o Reagrupamento Nacional terminou em primeiro lugar e poderá em breve formar um governo de extrema-direita, caso consiga repetir o desempenho nas próximas eleições antecipadas.

Embora a postura dos partidos de extrema-direita em questões como a imigração e o custo de vida expliquem a maioria das suas conquistas, muitos também são abertamente hostis às políticas climáticas. No entanto, o fatalismo seria a pior resposta possível. Os resultados das eleições não foram uma rejeição às políticas ambientais ambiciosas e seria um erro histórico para os nossos líderes interpretá-los dessa forma. As sondagens de opinião revelam consistentemente que os europeus apoiam uma ação mais forte contra as alterações climáticas, com uma vasta maioria (77%) a considerá-las um problema muito grave.

Contrariamente a algumas manchetes, os partidos pró-UE mantiveram-se firmes na composição geral do Parlamento Europeu. O Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, continua a ser o maior grupo e será parte central de qualquer coligação que se forme. No seu programa de campanha de 2024, comprometeu-se a continuar e a desenvolver ainda mais o histórico Pacto Ecológico da União Europeia.

A “onda” de extrema-direita não foi sentida em toda a Europa. Na Eslováquia, o partido centrista Eslováquia Progressista derrotou o partido populista no poder com uma participação eleitoral recorde. Nos países nórdicos, os partidos progressistas pró-clima fizeram avanços e os partidos populistas de extrema-direita perderam apoio. O resto da Europa pode aprender muito com a Finlândia, onde uma estratégia substancial e multifacetada de combate à desinformação tornou o país menos suscetível a notícias falsas em comparação com qualquer outro país da UE.

Dito isto, não há como negar que as conquistas da extrema-direita terão implicações negativas nos objetivos políticos progressistas. A ação climática ambiciosa não terá o mesmo apoio entusiástico que teve nos últimos cinco anos, quando havia um amplo consenso a seu favor. Questões como segurança, competitividade e migração foram fortemente destacadas na campanha eleitoral e certamente terão prioridade em detrimento da redução das emissões. A formulação de políticas será mais transacional, com negociações políticas a originar um programa climático menos consistente a nível ideológico.

Como é que nós, os que querem que a UE mantenha a sua liderança climática, devemos reagir a estas novas realidades? Em parte, enfrentamos um desafio de comunicação. Temos de demonstrar os benefícios mais amplos da transição verde: como ajudará as pessoas a ter vidas mais saudáveis, seguras, prósperas e dignas. Não basta reclamar que a direita explorou de forma cínica as queixas e preocupações dos eleitores. Precisamos de oferecer uma visão mais atrativa e positiva da alternativa. A polarização política só pode ser abordada com políticas mais justas e escutando os cidadãos – muitos dos quais se sentem ignorados e marginalizados.

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes
PS_Quarterly_Q2-24_1333x1000_No-Text

Secure your copy of PS Quarterly: Age of Extremes

The newest issue of our magazine, PS Quarterly: Age of Extremes, is here. To gain digital access to all of the magazine’s content, and receive your print copy, subscribe to PS Premium now.

Subscribe Now

Os ativistas ambientais também têm de convencer uma liderança da UE mais inclinada para a direita de que os problemas da Europa estão interligados e não podem ser abordados isoladamente. Uma vez que as alterações climáticas contribuem para outros desafios, como a instabilidade geopolítica e a migração, a ação climática tem de ser uma parte integral da estratégia da Europa para a segurança.

Os resultados destas eleições confirmam ainda mais que precisamos de enfatizar a dimensão social da formulação de políticas, tanto a nível da UE como a nível nacional. Temos de levar a sério a resolução das grandes desigualdades, em termos de riqueza e emissões, juntamente com as disparidades regionais. Estas têm vindo a definir cada vez mais a sociedade europeia, criando condições propícias para a extrema-direita e a revolta geral contra as políticas climáticas.

Tenhamos em mente que, tanto nos Estados Unidos como na UE, o decil mais rico emite entre três e cinco vezes mais do que o indivíduo mediano e cerca de 16 vezes mais do que o decil mais pobre. Esta injustiça não passa despercebida aos eleitores. Em França, 76% das pessoas concordam que “a sobriedade energética é imposta apenas ao povo, mas não às elites” e 79% concordam que “são os mais pobres que pagam pela crise climática e energética, apesar de os mais ricos serem os responsáveis por ela”.

Enquanto essas disparidades não forem abordadas, o sentimento justificado de injustiça por parte da sociedade civil será um obstáculo persistente ao progresso climático. Precisamos de uma mudança radical de estratégia, para colocar a justiça social e a equidade no centro da formulação de políticas e para defender e melhorar a própria democracia. Em muitos países europeus, os ativistas e ONG progressistas estão sob crescente pressão e enfrentam novas restrições legais como parte de um retrocesso mais vasto das liberdades democráticas. Em alguns casos, estamos a assistir a um esforço descarado para comprimir a sociedade civil.

Os resultados das eleições europeias devem lembrar-nos que o Pacto Ecológico Europeu e a democracia europeia são pré-requisitos para a ação climática e qualquer outra causa progressista. Não podemos desistir. Passei tempo suficiente da minha vida a fazer campanha sobre as alterações climáticas para saber que o progresso não é linear. A responsabilidade está em nós para nos reorganizarmos e renovarmos o nosso compromisso com um futuro mais justo e mais verde.

https://prosyn.org/YWmH3SCpt