Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

balvanera1_ERNESTO BENAVIDESAFP via Getty Images_amazonrainforestindigenousfire Ernesto Benavides/AFP via Getty Images

O porquê de o pluralismo de valores ser essencial para a sustentabilidade

BONN – Durante grande parte de 2019, as transmissões de notícias e as redes sociais foram preenchidas com imagens perturbadoras de florestas envoltas em chamas, deixando para trás paisagens carbonizadas e sem vida, casas destruídas e pessoas deslocadas. As imagens de florestas tropicais a arder no Brasil e noutros lugares suscitaram emoções poderosas e provocaram reações em todo o mundo, oferecendo um vislumbre sobre as muitas formas que as pessoas veem e valorizam a natureza. Um futuro sustentável para o nosso planeta e para a sua população só será alcançado se os governantes entenderem e considerarem esse pluralismo de valores.

Tal como a Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Serviços de Biodiversidade e Ecossistemas (IPBES) salienta no seu recente Relatório de Avaliação Global, “a natureza é essencial para a existência humana e uma boa qualidade de vida”. No entanto, as decisões sobre o uso de nossos recursos naturais cada vez mais frágeis e sobre como protegê-los geralmente não conseguem representar todas as formas através das quais as diferentes comunidades adicionam valor à natureza.

Felizmente, um grupo dos principais cientistas do mundo reuniu-se recentemente em Vitoria-Gasteiz, País Basco – a “capital verde” europeia de 2012  – para discutir um novo relatório da IPBES que se concentrará nos “diversos valores da natureza”. Esta futura “Avaliação de Valores” apresentará as descobertas mais sólidas até ao momento sobre como as diversas comunidades valorizam a natureza de maneira diferente e como os sistemas naturais beneficiam todos nós.

Vejamos o caso das florestas tropicais que ardem ao longo do ano e representam uma parcela desproporcional da biodiversidade do mundo. Alguns argumentam que temos uma responsabilidade moral de proteger esses tesouros naturais pelo seu próprio interesse, independentemente das respetivas contribuições para as pessoas. No entanto, as forças de mercado tendem a predominar, de tal maneira que o foco muda para as oportunidades económicas: madeira, derivados farmacêuticos, ecoturismo, mineração e similares. Alguns políticos e interesses comerciais até veem as florestas como um obstáculo que tem de ser removido para permitir a expansão da agricultura, mineração, habitação e infraestruturas.

O problema é que as decisões políticas tendem a refletir essas preocupações económicas sem terem também em consideração as contribuições mais amplas que os sistemas naturais oferecem. As florestas, por exemplo, ajudam a regular o clima, ao aprisionarem gases com efeito de estufa e ao atenuarem os efeitos do aquecimento global. Elas também atuam como “bombas de água” globais que levam a chuva até às regiões distantes. No entanto, a maioria das decisões políticas ignora essas valiosas contribuições naturais para as pessoas. Além disso, também negligenciam as necessidades de milhões de povos indígenas que dependem das florestas para a sua subsistência e bem-estar.

Algumas das razões pelas quais as pessoas valorizam a natureza são universais. Mas outras são específicas de certos grupos e, portanto, podem tornar-se fontes de conflito. Sempre que surgem conflitos entre as partes com acesso desigual às alavancas do poder, as decisões sobre como administramos a natureza têm de ter em conta essa assimetria.

Subscribe now
ps subscription image no tote bag no discount

Subscribe now

Subscribe today and get unlimited access to OnPoint, the Big Picture, the PS archive of more than 14,000 commentaries, and our annual magazine, for less than $2 a week.

SUBSCRIBE

E, no entanto, governos, bancos de desenvolvimento, organizações de conservação e atores do setor privado retiram muitas vezes algo das áreas naturais protegidas através de formas que ignoram as necessidades das comunidades que habitam as florestas. Em muitas áreas tropicais, os governantes permitiram a expansão de plantações de produtos, como as que produzem óleo de palma e soja, para satisfazer a procura do mercado mundial e apoiar os agricultores com rendimentos mais baixos e outros constituintes que dependem dessas culturas para a sua subsistência. No entanto, e com muita frequência, essas plantações invadem as casas dos povos indígenas e os habitats de espécies ameaçadas, incluindo primatas como gorilas, orangotangos e macacos bugios.

Diferentes culturas veem a natureza de formas diferentes, algumas das quais nem sempre são óbvias para os observadores de fora. Ainda assim, os governantes têm de ter em conta o complexo mosaico de valores humanos quanto tomam decisões sobre os nossos sistemas naturais. Os incêndios florestais e outros desastres naturais e ecológicos nos últimos anos evidenciaram a fragilidade desses sistemas e as comunidades que dependem deles.

Os governos estão a reconhecer cada vez mais a necessidade de uma perspetiva mais ampla e estão a tentar encontrar formas de de ter em consideração a natureza quando elaboram políticas e traçam um caminho em direção ao desenvolvimento sustentável. Quando a “Avaliação de Valores” da IPBES for lançada em 2022, fornecerá uma base científica para informar sobre decisões que representam a diversidade de valores nas nossas interações com a natureza.

https://prosyn.org/9e0LdJIpt;