2

Convicções que salvam vidas

GENEBRA – A situação precária das mais de 200 raparigas raptadas no Norte da Nigéria é um lembrete brutal do quão vulneráveis as crianças em África - especialmente as raparigas - podem ser. Mas é igualmente importante reconhecer que este não é um verdadeiro reflexo da África moderna e que os líderes africanos estão fortemente empenhados em proteger as crianças dos seus países. A sua capacidade de fornecer o mesmo tipo de protecção que as crianças dos países ricos usufruem requer dois ingredientes-chave: parceria e convicção.

Isso é assim porque, embora o terrorismo seja uma ameaça insidiosa, o maior risco para as crianças de África são as doenças, que podem muitas vezes ser prevenidas através da imunização de rotina. De facto, enquanto o mundo discute a melhor forma de recuperar as raparigas desaparecidas, outra ameaça está a reemergir: a Organização Mundial de Saúde declarou recentemente a propagação da poliomielite, uma emergência de saúde pública internacional, com vários países africanos agora a constituírem um risco contínuo na exportação da doença.

Erdogan

Whither Turkey?

Sinan Ülgen engages the views of Carl Bildt, Dani Rodrik, Marietje Schaake, and others on the future of one of the world’s most strategically important countries in the aftermath of July’s failed coup.

Felizmente, existem formas imediatas e tangíveis de se vencer a poliomielite e uma série de outras doenças evitáveis através da vacinação que reivindicam actualmente vidas inocentes em África e além. Além disso, os líderes africanos reconhecem que a melhor maneira de proporcionar às crianças uma protecção a longo prazo e sustentável é através da imunização de rotina. No início deste mês, os líderes africanos reunidos na capital da Nigéria, Abuja, aprovaram a declaração Imunizar África 2020, comprometendo-se a investir num futuro saudável e sustentável para todas as crianças nos seus países.

Tais declarações são importantes, porque é só através do poder das nossas convicções que podemos sempre verdadeiramente trazer mudanças positivas. E a mudança está de facto a ocorrer. Desde 2001, houve não menos do que 140 lançamentos de novas vacinas em África , graças à liderança local e ao apoio da minha organização, a Aliança GAVI, e dos seus parceiros, a UNICEF, a Organização Mundial de Saúde, o Banco Mundial e a Fundação Bill e Melinda Gates. Como resultado deste tipo de trabalho, a cobertura da imunização em África aumentou dramaticamente, dos 10% em 1980 para os 72% em 2012.

E agora, de 2016 até 2020, os mais de 50 países de África irão aplicar mais de 700 milhões de dólares directamente no custo de vacinas infantis através da GAVI e dos seus parceiros. Isto tornará África no quarto maior investidor na GAVI, atrás apenas do Reino Unido, da Fundação Bill & Melinda Gates e da Noruega. Este tipo de compromisso assinala uma mudança na ajuda ao desenvolvimento que se distancia bastante do modelo tradicional de caridade direccionando-se para um baseado na parceria.

No entanto, dado que os países africanos já gastam milhares de milhões de dólares em serviços de saúde, e que o continente tem tantas outras necessidades concorrentes, investir em vacinas pode nem sempre parecer uma escolha óbvia.

A Noruega esteve numa situação semelhante em 2003 quando, na qualidade de Ministro da Saúde e dos Assuntos Sociais, conduzi o esforço para proibir que se fumasse nos espaços públicos. Na altura, houve forte oposição à proibição e fui comparado aos piores ditadores do mundo. Mas eu sabia que a medida iria salvar muitas vidas nos anos vindouros e estava convencido de que se não agisse, não estaria a fazer o meu trabalho correctamente. E não estava sozinho: o meu homólogo irlandês concordou.

À medida que os benefícios para os indivíduos - e para a sociedade - se tornavam claros, mais de 100 outros países seguiram o exemplo da Noruega e da Irlanda, e hoje o número de fumadores na Noruega foi reduzido a metade e nove em cada dez pessoas apoiam a proibição. Com a vantagem da análise a posteriori, algumas soluções podem parecer óbvias; mas foi preciso o poder da convicção para fazer com que a solução se manifestasse em primeiro lugar.

O mesmo se passa agora com a imunização em África e nos países pobres de todo o mundo. Os líderes destes países já viram o que pode ser alcançado com as vacinas e vêem mais benefícios provenientes da imunização para os próximos anos. De facto, desde o seu lançamento em 2000, a GAVI já apoiou a vacinação de 440 milhões de pessoas adicionais, ajudando a salvar seis milhões de vidas.

Support Project Syndicate’s mission

Project Syndicate needs your help to provide readers everywhere equal access to the ideas and debates shaping their lives.

Learn more

Mas agora, à medida que os parceiros da Aliança GAVI e os doadores se preparam para se reunirem esta semana em Bruxelas, de modo a planearem cuidadosamente o financiamento da GAVI para os próximos cinco anos, há uma oportunidade muito real de se fazer mais. Com o apoio da GAVI, temos ao nosso alcance a possibilidade de duplicar o número de crianças imunizadas em 2020, aproximando-nos dos mil milhões no total e evitando a morte de mais de cinco milhões de vidas entre o presente e nessa altura.

Os líderes africanos têm demonstrado a sua determinação; mas, numa altura em que muitos países doadores ainda lutam para consolidarem uma frágil recuperação económica, também será necessário empenho e convicção por parte dos seus líderes. Nenhum de nós consegue fazê-lo sozinho, mas através das parcerias podemos realmente ajudar a proteger as crianças mais vulneráveis do mundo.