India health Kunal Patil/Hindustan Times via Getty Images

A guerra da Índia conta a resistência antimicrobiana

CHENNAI – No ano passado, uma professora de 30 anos, afectada por uma infecção grave da corrente sanguínea, deu entrada na unidade de emergência onde trabalho para tratamento. A mulher tinha passado por várias clínicas locais com uma infecção no peito e febre persistentes, e, quando a examinei, estava a fazer quimioterapia para um cancro do sangue.

Instintivamente, tratei a sua infecção com um antibiótico de um grupo de medicamentos conhecidos como “carbapenemos”, uma medicação forte que é habitualmente receitada a pessoas que estão hospitalizadas. Contudo, após realizar mais testes, constatei que ela estava carregando uma estirpe de bactéria que é resistente à maioria dos antibióticos do nosso arsenal terapêutico. A única opção era tratá-la com medicamentos que eu sabia que não eram de todo eficazes; ela teve a sorte de recuperar.

Infelizmente, muitos doentes não são têm a mesma sorte. Em todo o mundo, há pessoas a serem hospitalizadas com infecções que não respondem aos antibióticos, e germes relativamente benignos - como a E. coli e a Klebsiella - tornaram-se poderosos assassinos, resistindo a medicamentos que outrora os combatiam facilmente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/o98pSYi/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.