A Yemeni child suspected of being infected with cholera AFP/Getty Images

Uma receita médica de Bangladesh para a cólera

DHAKA –Por esta altura, a cólera deveria ser história. Durante décadas, as autoridades sanitárias tiveram conhecimento sobre como evitar a doença, os médicos souberam tratá-la e os especialistas em desenvolvimento reconheceram que com água não poluída e saneamento, os surtos raramente se convertem em epidemias. Infelizmente, o mundo não é tão simples e limpo, e o pesadelo da cólera persiste.

Em muitas partes do mundo, a cólera está de facto dominada. As doenças transmitidas através da água são praticamente inexistentes nas economias avançadas. E mesmo nos países e regiões famintos de recursos onde a cólera continua a ser um problema, a disponibilização da terapia de reidratação oral, ou TRO, tem ajudado a evitar inúmeras mortes.

E, no entanto, a cólera continua a reacender-se durante épocas de crise, matando os mais vulneráveis entre nós. Atualmente, uma das piores epidemias assola o Iémen, onde o conflito armado levou ao declínio da saúde, da água e dos sistemas de saneamento - precisamente as condições com as quais a cólera prolifera. Os primeiros casos de cólera foram registados em outubro de 2016; um ano depois, o número de casos tinha aumentado para mais de 600 mil.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/AMrwwH7/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.