Two teenage Nepali males reading newspapers Eye Ubiquitous/UIG /Getty Images

O Regresso do Jornal em Papel

BANGUECOQUE – As redes sociais já não são novidade, contudo, em 2016, plataformas como o Twitter e o Facebook pareciam prestes a suplantar definitivamente os jornais tradicionais. Após a vitória do Presidente Donald Trump nos EUA, a imprensa generalista parecia não só ter perdido o norte, mas igualmente a sua relevância.

Trump liderou o ataque em várias frentes contra os meios de comunicação social tradicionais e os jornais em particular. Contudo, muitos jornalistas também foram céleres a declarar que tinham chegado ao seu limite de caracteres. Os jornais foram acusados de elitismo e de falta de sintonia com os leitores, e as suas reacções ao resultado das eleições variaram entre a auto-flagelação e o arrependimento. Desconcertados pelos ataques vindos de todas as partes, os especialistas que não conseguiram fazer um bom prognóstico da eleição de Trump, previram que a queda das vendas, a redução do número de leitores e a perda de credibilidade anunciavam o desaparecimento do jornal tal como o conhecíamos.

No entanto, um ano e pouco mais tarde, tornou-se claro que a vitória do Trump não confirmou este cenário. Pelo contrário, a sua chegada ao poder tornou os meios de comunicação social tradicionais mais relevantes do que nunca. A história mediática mais notável de 2017 poderá ter sido o facto de Trump ter inadvertidamente devolvido a grandeza aos jornais.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/5DGczdN/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.