south korea new president Jung Yeon-je/AFP/Getty Images

A Ostpolitik sul-coreana de Moon

SEUL – Moon Jae-in, do Partido Democrático da Coreia, acaba de ser eleito o novo presidente da Coreia do Sul. Esta é a segunda transição do poder conservador para o poder liberal na história democrática do país. Começou, inesperadamente, em outubro passado, com o rebentamento de um escândalo de corrupção a envolver a então presidente Park Geun-hye, culminando na sua destituição e retirada do cargo no início deste ano. Embora a expulsão de Park tenha sido dolorosa, também demonstrou a capacidade de resistência da democracia da Coreia do Sul.

Moon irá assumir funções numa altura de elevada tensão com a Coreia do Norte. Para entender que tipo de política ele irá adotar, é necessário haver familiaridade com o pensamento da política externa liberal na Coreia do Sul desde a presidência, entre 1998 e 2003, de Kim Dae-jung.

Kim tinha assistido ao final pacífico da Guerra Fria na Europa e queria conduzir o confronto que ocorria entre o seu próprio país e o Norte comunista para uma conclusão semelhante sem violência. Então, ele prosseguiu com um envolvimento direto com a Coreia do Norte e a sua política “Sunshine” foi adotada pelo seu sucessor, Roh Moo-hyun. Antes de morrer, em 2009, Roh (fui ministro dos Negócios Estrangeiros durante o seu governo) foi um mentor político e amigo próximo de Moon.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/5e0o6wA/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.