Para Além do Ébola

WASHINGTON, DC – Os Estados Unidos e a Europa reagiram exageradamente a alguns casos isolados do vírus Ébola dentro das suas fronteiras. Estas respostas geradas pelo pânico não são apenas fúteis. Ao violarem princípios científicos básicos, desafiam o critério ético fundamental para a acção obrigatória de saúde pública. E quanto à protecção dos cidadãos relativamente ao Ébola – para não falar na prevenção do surgimento de futuras crises sanitárias globais comparáveis – estas respostas poderão mesmo ser contraproducentes.

Os exemplos mais flagrantes de exagero ocorreram nos EUA, onde a resposta inicial implicou uma triagem reforçada aos viajantes provenientes da Guiné, Libéria, e Serra Leoa. Mais problemática foi a instituição, em vários estados, de quarentenas obrigatórias de 21 dias para os trabalhadores voluntários de saúde regressados aos EUA e provenientes de países atacados pelo Ébola. Felizmente, a reacção política contra as ordens de quarentena impeliu alguns governadores estaduais a aligeirá-las.

Chegou o momento dos países desenvolvidos reconhecerem que o melhor modo de proteger os seus cidadãos do Ébola é ajudar a parar a difusão do vírus na África Ocidental. Isto requer, em primeiro lugar e acima de tudo, uma “resposta a surtos” sustentada contra o Ébola nos três países mais afectados. Esta resposta deverá ser sustentada por financiamento adequado (e considerável); por médicos, enfermeiros e trabalhadores comunitários de saúde bem formados; e por uma capacidade local melhorada para o diagnóstico, tratamento, rastreio de contactos, e isolamento dos indivíduos infectados.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/e0KxDiI/pt;