donald trump twitter NurPhoto

Como vingam as notícias falsas

WASHINGTON, DC – Como resposta à onda de notícias falsas que inundou a recente campanha para as eleições presidenciais nos Estados Unidos, dedicou-se muita atenção àqueles que produzem ou difundem essas histórias. O pressuposto é que, se os veículos noticiosos apenas reportassem os “factos”, os leitores e telespectadores chegariam sempre a conclusões correctas sobre uma dada história.

Mas esta abordagem só endereça metade da equação. Sim, precisamos de organizações noticiosas que distribuam informações fiáveis; mas também precisamos que aqueles que as recebem sejam consumidores esclarecidos.

Durante décadas, o governo dos EUA apoiou programas de incentivo a meios de comunicação independentes em países autoritários, privados de recursos, ou disfuncionais. Mas estes programas assumem implicitamente que os próprios EUA são imunes aos problemas enfrentados por pessoas noutros países quando criam ou consumem informação. Nos EUA, assumimos também que os meios de comunicação americanos, sustentados pela publicidade, continuarão a prosperar, que o jornalismo independente é a norma, e que a maioria das pessoas é capaz de pensar de forma crítica, e de julgar de forma sensata as informações que recebe.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/pNkWUNj/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.