Antimicrobial resistance Benoit Doppagne/Getty Images

Um momento Volvo para a resistência antimicrobiana

LONDRES – Na semana passada, a Volvo publicou um anúncio inspirador: depois de 2019, deixará de produzir automóveis movidos a gasolina ou a gasóleo. Os executivos da Volvo podem estar já a prever que os veículos tradicionais serão menos lucrativos no futuro. Mas independentemente do seu motivo, a sua decisão teve repercussões consideráveis. Em 24 horas, o presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que a França proibiria a venda de automóveis movidos a gasolina ou a gasóleo até 2040.

A decisão da Volvo confirma que as coisas estão a mudar na indústria automóvel, e envia uma mensagem positiva na luta contra as alterações climáticas. Mas, acima de tudo, demonstra que as pessoas e as organizações ainda são capazes de dar passos significativos e arrojados para a resolução de desafios fundamentais.

Entre os muitos problemas globais de hoje, a luta contra a resistência antimicrobiana (RAM) necessita desesperadamente de um compromisso marcante deste tipo. Para os seus defensores, o aparecimento da RAM na agenda do G20 do ano passado, durante a reunião do grupo em Hangzhou, na China, representou um triunfo importante. Mas a declaração dos líderes do G20 sobre a RAM em 2016 não foi tão ousada como poderia ter sido, porque estes não quiseram elevar demasiado a fasquia. Sabiam que a Alemanha, paladim entusiasta na luta contra a RAM, presidiria este ano o G20, e isso faria esperar que trouxesse propostas ousadas para a mesa.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/GcO0tOs/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.