Female students in Nigeria school AFP/Getty Images

Fechar o fosso entre géneros na educação

WASHINGTON, DC –Completar o ensino básico em Níger nunca foi uma certeza para Aishetu Mahmoudu Hama, tendo em conta todos os obstáculos que se atravessaram no seu caminho. Foi duro estudar, relembra. Sentávamo-nos no chão –às vezes num tapete, outras vezes diretamente em cima do pó.

Mas Aishetu persistiu e ela é hoje uma estudante universitária com 23 anos de idade. Aishetu sabe que sem a escola, as suas oportunidades de vida resumir-se-iam provavelmente à pastorícia, à agricultura, casar e ter um monte de filhos. Simplesmente, não haveria outras oportunidades para ela explorar.

À semelhança das professoras que a inspiraram a estudar, Aishetu quer ser um exemplo para as raparigas e para as suas irmãs. Ela espera que a sua história irá motivá-las a completar também os seus estudos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/3WNxWvh/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.