Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

manlan9_GodongUniversal Images Group via Getty Images_togotextilesafricaworker Godong/Universal Images Group via Getty Images

Reconhecer o elevado valor dos migrantes africanos

LOMÉ – Ao assinalarmos o Dia Internacional das Migrações a 18 de Dezembro, é tempo de repensar como valorizamos as competências e os recursos informais de muitos migrantes de África. Em particular, necessitamos de reconhecer que as migrações podem ajudar a estimular o crescimento económico de longo prazo em África e no resto do mundo.

Por um lado, as migrações africanas são menos significativas globalmente do que muitos pensam. Segundo um relatório produzido pela Fundação Mo Ibrahim, apenas 14% dos migrantes do mundo em 2017 vieram de África, enquanto 41% vieram da Ásia e 24% da Europa. Os 36,3 milhões de africanos que migraram nesse ano representavam menos de 3% da população do continente (e quase 90% dos refugiados africanos permanecem no continente).

Por outro lado, os africanos que exercem o seu direito humano de trabalhar onde as suas competências são necessárias contribuem de forma significativa para a grande economia informal do continente. As cidades africanas estão cheias de comerciantes criativos que negoceiam preços, fornecem camisolas para eventos desportivos, e vendem bebidas aos condutores sequiosos e presos nos engarrafamentos. Com efeito, as competências comerciais – especialmente das mulheres – deveriam estar no centro da narrativa das migrações africanas.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/5EcD2xOpt;

Edit Newsletter Preferences