Liu Lei/Getty Images

Reforma ou Divórcio na Europa

NOVA IORQUE – Dizer que a zona euro não tem um bom desempenho desde a crise de 2008 é um eufemismo. Os seus países-membros tiveram um desempenho pior do que os países da União Europeia que estão fora da zona euro, e muito pior do que os Estados Unidos, que foram o epicentro da crise.

Os países da zona euro com pior desempenho estão atolados em depressão ou recessão profunda; a sua condição (pensemos na Grécia) é em muitos aspectos pior do que a das economias durante a Grande Depressão da década de 1930. Os membros da zona euro com melhores desempenhos, como a Alemanha, parecem estar bem, mas apenas em termos comparativos; e o seu modelo de crescimento é parcialmente baseado em políticas conduzidas à custa do enfraquecimento de outros países (NdT: beggar-thy-neighbour, no original), em que o sucesso depende dos antigos “parceiros”.

Foram apresentados quatro tipos de explicações para explicar este estado de coisas. A Alemanha gosta de culpar as vítimas, apontando a prodigalidade da Grécia, e a dívida e os défices noutros países. Mas isto põe a carroça à frente dos bois: antes da crise do euro, a Espanha e a Irlanda tinham superávites, e reduzidos rácios de dívida relativamente ao PIB. Por isso, foi a crise que causou os défices e as dívidas, e não o contrário.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/OEf22TQ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.