Bill Hinton/Getty Images

O lado real das notícias falsas

NOVA IORQUE –Os dispositivos digitais e as redes sociais dos nossos dias fornecem tanta informação que até mesmo o consumidor mais astuto não consegue analisá-la na totalidade. Parece que estamos a viver numa versão do Brave New World, de Aldous Huxley, onde a verdade está submersa num mar de irrelevância. Mas o futuro não precisa de ser a distopia que o presente parece sugerir.

A percentagem de americanos que obtém notícias através das redes sociais aumentou rapidamente nos últimos anos, para 62% em 2016. Ainda assim, de acordo com um estudo recente realizado pelo Pew Research Center, os profissionais da comunicação social, académicos, profissionais da área da tecnologia e editorial veem cada vez mais a Internet como um esgoto onde se alojam discursos de ódio e de raiva, e monstros trolls.

Muito do que chega à nossa porta digital nos dias de hoje só pode ser descrito como notícias falsas: histórias inventadas, propaganda e outras formas de má informação. Mas embora o nome notícias falsassejam um rótulo útil para um problema real, não nos diz se estamos de facto a viver num mundo pós-verdade; e, em caso afirmativo, quem devemos responsabilizar. Para responder a essas perguntas, temos de examinar a infraestrutura das notícias falsas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/AkiQGrs/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.