O marasmo do dólar

BERKELEY – O primeiro ano de Donald Trump como presidente dos EUA foi, no mínimo, uma abundante fonte de surpresas.

Uma das maiores, nos círculos que frequento, é a fraqueza do dólar. Entre Janeiro de 2017 e Janeiro de 2018, a taxa de câmbio efectiva do dólar caiu 8%, surpreendendo muitos dos especialistas. Incluo-me nos surpreendidos (e outros poderão decidir se me qualificarei como especialista).

Eu esperava que as reduções fiscais e a normalização da taxa de juro nos transportassem para políticas fiscais mais folgadas e políticas monetárias mais restritivas, a combinação que fez subir o dólar nos anos Reagan-Volcker. As alterações fiscais, que encorajariam as empresas dos EUA a repatriar os seus lucros, libertariam uma onda de entradas de capital, fazendo o dólar subir ainda mais. As novas tarifas, que tornariam as importações mais caras e que deslocariam a procura para os bens nacionais, implicariam efeitos de compensação numa economia quase perto do pleno emprego para que a procura fosse novamente deslocada para fontes estrangeiras. A mais plausível destas compensações seria, claramente, a valorização da taxa de câmbio real, que só poderia acontecer através da inflação ou, mais plausivelmente, de um dólar mais forte.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/VitJBOK/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.