Latin America market Federico Parra/Getty Images

Prosperidade “produzida nas Américas”?

WASHINGTON, DC – Enquanto Canadá, México e Estados Unidos se concentram na quinta rodada de negociações para a modernização do Acordo de Livre Comércio da América do Norte – uma meta bastante incerta – os governos do resto das Américas estão debatendo uma questão de comércio mais fundamental. Quem será seu parceiro comercial dominante do futuro: os Estados Unidos, a Europa ou a China?

Durante mais de um século, a resposta óbvia a essa pergunta foi: “os Estados Unidos”. A proximidade, o poder de influência e a própria força econômica do país faziam dele o centro natural de atenção comercial para a América Latina. E a América Latina é o primeiro ou segundo parceiro comercial mais importante de 37 dos 50 estados norte-americanos.

Em 2016, empresas norte-americanas exportaram um total de US$ 515 bilhões em bens e serviços para a América Latina e o Caribe – quase três vezes mais do que exportaram para a China. Além disso, enquanto os Estados Unidos têm um déficit comercial grande e recorrente com a China, o país tipicamente registra um superávit com seus vizinhos do sul, o que, tradicionalmente, favorece os bens de alto valor e serviços sofisticados que as empresas norte-americanas fornecem.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/Nn3uP3T/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.