O Ano da Resiliência

NOVA YORK – Neste mês, completa dez anos desde que representantes de 168 estados-membros das Nações Unidas reuniram-se em Kōbe, a capital da província de Hyōgo, no Japão, para decidir como administrar melhor o risco de desastres após o devastador tsunami do Oceano Índico, em que mais de 227 mil pessoas perderam a vida. Ao longo de cinco dias, que incluíram o aniversário do terremoto de Köbe de 1995, eles elaboraram o Marco de Ação de Hyogo, composto de uma série de medidas criadas para “reduzir as perdas humanas e de recursos sociais, econômicos e ambientais das comunidades e países”.

Em dois meses os estados-membros das Nações Unidas irão se reunir para a 3ª Conferência Mundial para a Redução de Riscos de Desastres em outra cidade japonesa que é sinônimo de risco de desastres: Sendai, o centro da região de Tōhoku, que sofreu o impacto do terremoto e tsunami de 2011 que levou ao desastre nuclear de Fukushima. Uma questão estará presente na mente de todos os participantes da reunião: o mundo conseguiu cumprir os ambiciosos objetivos do Marco de Ação de Hyogo?

As evidências da última década – que foi marcada por alguns dos piores desastres naturais já registrados – estão longe de ser favoráveis. Port-au-Prince colapsou com um terremoto. O furacão Katrina arrasou New Orleans. A seca matou um número desconhecido de pessoas no Chifre da África. Enchentes e terremotos afetaram milhões de pessoas no Paquistão e na China. Ondas de calor e incêndios devastaram países ao redor do mundo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/L6FTmH9/pt;