wind turbines green energy George Rose/Getty Images

Porque as empresas são mais verdes que Trump

LONDRES – O relacionamento entre as empresas, a política, e o ambiente, está prestes a tornar-se mais complicado. À medida que o governo do Presidente dos EUA, Donald Trump, ameaça desmantelar protecções ambientais vitais, algumas das quais existem há décadas, os líderes empresariais reconhecem cada vez mais a necessidade de políticas ambientalmente sustentáveis, e estão a agir nesse sentido.

Trump, que já apelidou as mudanças climáticas de embuste chinês destinado a enfraquecer a economia dos EUA, já revogou a Regra de Protecção dos Canais, que impede os produtores de carvão de despejarem resíduos nos cursos de água. Na mesma calha pode estar o Plano de Energia Limpa, que limita as emissões de gases com efeito de estufa por centrais eléctricas (de longe, a maior fonte das emissões de CO2 no país), com o objectivo de diminuir até 2030 a poluição de carbono provocada pelo sector energético para valores 32% abaixo dos níveis de 2005. A administração Trump até já ameaçou abandonar o acordo de Paris sobre o clima, com que os governos mundiais se comprometeram em 2015.

Há dez anos, os líderes empresariais teriam acolhido favoravelmente estas políticas ambientais regressivas, que permitem reduzir custos e expandir oportunidades, ao reduzirem restrições ao comportamento das suas empresas. Mas hoje em dia, mesmo com os mercados a responderem de forma optimista às promessas feitas por Trump e “favoráveis às empresas” (para além da desregulamentação e das reduções fiscais, um plano de infra-estruturas de um bilhão de dólares que incluiria a recuperação do carvão), os líderes empresariais permanecem cautelosos.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/zIZG8clpt