Trump Xi summit Jim Watson/AFP/Getty Images

Donald, o tigre de papel

BERKELEY – Os comentários de Donald Trump sobre a China, durante a campanha presidencial nos EUA, não criaram grandes expectativas para as relações Sino-Americanas depois da sua eleição. Trump acusou a China de “ficar com os nossos empregos,” e de “[roubar] centenas de milhares de milhões de dólares da nossa propriedade intelectual.” Acusou repetidamente a China de manipular a sua divisa. O ponto mais baixo aconteceu no passado mês de Maio, quando Trump alertou os seus seguidores de que “Não podemos continuar a deixar que a China viole o nosso país. É isso que eles estão a fazer. É o maior roubo na história do mundo.”

Com esta retórica inflamada, muitas pessoas compreensivelmente sentiram uma inquietação considerável durante a preparação da cimeira de Trump com o Presidente chinês, Xi Jinping, na propriedade de Trump, Mar-a-Lago. Não foi difícil imaginar um aperto de mão recusado, ou a apresentação de uma factura para pagamento, como a que Trump alegadamente entregou à Chanceler alemã Angela Merkel (um relato negado pela Casa Branca).

Em vez disso, Trump tratou Xi com respeito considerável. Uma explicação para tal, é que estaria preocupado com o iminente ataque de mísseis dos EUA sobre a Síria. Uma outra, é que será mais fácil ganhar o respeito de Trump quando se tem um porta-aviões, 3 000 aviões militares, e 1,6 milhões de tropas terrestres.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/haHBn7t/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.