Os Direitos do Homem Digital

ABU DHABI – Criámos um mundo online cuja vastidão excede a nossa compreensão. Como medida da sua magnitude, considere-se isto: em 2012, o novo sistema de endereços da Internet, o IPv6, criou mais de 340 bilhões de bilhões de bilhões (3.4 x 1038) de endereços – isto é, cerca de 4.8 x 1028 endereços por cada pessoa na terra. Isso deverá ser suficiente para servir os cinco mil milhões de dispositivos que se ligam actualmente à internet, e os 22 mil milhões de dispositivos que se prevê estarem em uso em 2020.

A parte difícil da explosão da conectividade não é criar capacidade, mas como esta deve ser gerida. Devemos dar resposta a questões profundas sobre o modo como vivemos. Deverá toda a gente estar permanentemente ligada a tudo? Quem possui que dados, e como deverá a informação ser tornada pública? Pode e deve o uso dos dados ser regulado, e, se sim, como? E que papel deverão ter o governo, as empresas, e os utilizadores normais da Internet na resolução destes assuntos?

Tais perguntas já não podem ser ignoradas. À medida que o mundo virtual se expande, o mesmo acontece com as quebras de confiança e com o uso indevido de dados pessoais. A vigilância aumentou o desconforto público – e mesmo a paranóia – sobre as agências estatais. As empresas privadas que comercializam dados pessoais incitaram o lançamento de um movimento de “reivindicação da privacidade”. Como notou um delegado num recente debate do Fórum Económico Mundial: “Quanto mais conectados nos tornámos, mais desistimos da nossa privacidade.”

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/lMXRig8/pt;