Pupils write on their notebook as they attend class at a primary school in Pikine SEYLLOU/AFP/Getty Images

Como pagar as conquistas educacionais de África

JOANESBURGO – A África encontra-se no meio de uma crise educacional. Apesar das promessas de melhoria do acesso à educação para todas as crianças até 2030, muitos governos Africanos não estão a conseguir financiar esta componente ambiciosa dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ainda há tempo para resolver as insuficiências do financiamento, mas apenas se forem adoptadas com vigor novas estratégias de investimento.

Actualmente, perto de metade dos jovens de todo o mundo, incluindo cerca de 400 milhões de raparigas, não estão a receber a educação necessária para serem bem-sucedidos nos locais de trabalho do futuro. Este desafio é mais premente em África; embora 75% das raparigas na África Subsaariana entrem na escola, só 8% terminam o ensino secundário. A África Subsaariana é a única região onde as mulheres ainda não se inscrevem nem completam o ensino superior na mesma proporção que os homens.

Estes problemas são bem conhecidos, mesmo que não sejam sempre resolvidos. O que é menos compreendido é o impacto contraditório que o crescimento futuro de África terá sobre a disponibilidade do financiamento para a educação.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/sR8gP0M/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.