O desafio urbano de África

NAIROBI – A minha mãe, bem como a sua mãe, a sua avó, e assim por diante, nasceram na pobreza, na aldeia rural de Rarieda, no Quénia. Também eu nasci na aldeia, e ali vivi lá até ser cruelmente atingido pela fome, quando tinha dois anos. Privada de comida, de dinheiro e de oportunidades, a minha mãe fez o que milhares de habitantes das aldeias africanas fazem todos os dias: levou-nos para a cidade em busca de uma vida melhor. Mas, em virtude da escassez de empregos e de habitação em Nairobi, acabámos em Kibera, um dos maiores bairros de lata de África.

Localizado a apenas alguns quilómetros do centro de Nairobi, Kibera é um bairro fortemente poluído e densamente povoado, composto por estradas informais e barracas com telhado de chapa ondulada. O governo do Quénia não reconhece Kibera, não existe um sistema de esgotos nem uma rede eléctrica formal. Os seus moradores, cujo número está estimado entre algumas centenas de milhares e mais de um milhão, não existem oficialmente.

Kibera é apenas um exemplo das consequências da rápida urbanização que está a aumentar em todo o mundo. Mais de 44% dos habitantes de países em desenvolvimento já reside em cidades. O Population Reference Bureau estima que, em 2050, apenas 30% da população mundial irá permanecer nas zonas rurais. Mas poucos pararam para pensar nas implicações que esta mudança tem para famílias como a minha.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/HHmmrDz/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.