A Thai health official performs a blood test on children at a Malaria clinic PORNCHAI KITTIWONGSAKUL/AFP/Getty Images

Permanecer no caminho certo para acabar com a malária

BASILEIA –Acabar com uma epidemia é um compromisso que se assemelha a uma maratona, e no caso da malária, estamos a aproximar-nos da linha de chegada. Mas precisamos de manter o ritmo.

Ao longo das últimas décadas, governos, organizações não governamentais e o setor privado desbravaram novos caminhos na ciência do tratamento da malária e canalizaram recursos extraordinários para a causa. Os investimentos compensaram: a taxa de mortalidade mundial que ocorre devido à malária caiu 60%, entre 2000 e 2015.

Ainda assim, os desafios crescentes, tais como a resistência aos medicamentos e inseticidas, ameaçam reverter o progresso que fizemos. Há dois anos consecutivos que as mortes por malária aumentam, enquanto o financiamento estagnou. Este ano, o Dia Mundial da Malária (25 de abril) deveria assim incentivar o redobramento dos nossos esforços. Erradicar a malária exigirá novas soluções médicas e a nível de políticas de saúde, bem como uma vontade vontade política mais forte.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/S6G6QsY/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.