gokrun1_Bernd von Jutrczenkapicture alliance via Getty Images_plane Bernd von Jutrczenkapicture alliance via Getty Images

As grandes empresas de tecnologia voam demasiado

FUNAFUTI, TUVALU – No ano passado, a Microsoft anunciou que eliminará as suas emissões de carbono até 2030. “Se não controlarmos as emissões e as temperaturas continuarem a subir”, disse a empresa no seu blog oficial, “a ciência diz-nos que os resultados serão catastróficos”. A Microsoft merece crédito por discutir publicamente a crise climática, ser transparente em relação às suas próprias emissões de gases com efeito de estufa (GEE) e ter pelo menos algum tipo de plano para reduzi-las.

Mas o elefante na sala é que a Microsoft é uma das dez maiores empresas compradoras de voos comerciais nos Estados Unidos. Antes da pandemia, no ano financeiro de 2019, só as viagens de negócios da empresa foram responsáveis ​​por 392 557 toneladas métricas de emissões de GEE.

Isso é muito mais do que todo o meu país insular do Pacífico emite num ano. Tuvalu é bem conhecido pela sua vulnerabilidade aos efeitos das alterações climáticas. Não contribuímos com quase nada para as emissões globais de GEE, mas as suas consequências afetam-nos todos os meses ou mesmo todos os dias.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/2mKo2Stpt