A geração "baby boom" está a chegar ao fim

MUNIQUE – Carlos Barientos III nasceu às 18:45 do dia 31 de Dezembro de 1964, num local situado algumas milhas a noroeste de Honolulu. Este ano celebrará o seu 50.º aniversário, facto que o torna, provavelmente, no último membro da geração "baby boom" a atingir esta idade. A geração que antes parecia definir a nível mundial a energia, a emoção e até mesmo a natureza irritante da juventude será oficialmente considerada "idosa" - ainda que possa haver quem diga que não seja totalmente “adulta”. Mas, o que significa realmente esta afirmação?

Os "baby boomers" são a geração que cresceu sobretudo nos EUA, mas também na Europa, no Canadá, na Austrália e em outros países após a Segunda Guerra Mundial, quando o rápido crescimento económico se fez acompanhar do aumento das taxas de natalidade. As pessoas que nasceram durante este período de 19 anos (entre 1945 e 1964) faziam parte da maior, mais próspera, mais bem-educada e, poder-se-á dizer, mais mimoseada e indulgente geração que o mundo alguma vez viu.

Desde o sexo, as drogas e o rock ‘n’ roll aos movimentos dos direitos civis, às bolhas do "ponto com" e do mercado imobiliário, a geração dos "baby boom" moldou a sociedade moderna, para o melhor e para o pior. Além disso, encontrando-se um dos seus membros mais jovens na Casa Branca e outros em Downing Street, no Palácio do Eliseu e na Chancelaria alemã, esta geração continuará a moldar a sociedade durante os próximos anos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/wohUYPu/pt;