Ethiopia ALBERT GONZALEZ FARRAN/AFP/Getty Images

A década africana do ter de fazer

VIENA — Desde 2000, a África registou taxas de crescimento económico impressionantes, devido em grande medida, à assistência ao desenvolvimento e a uma expansão prolongada das matérias-primas. Embora o continente apresente uma grande diversidade em termos de trajectórias socioeconómicas, as taxas de crescimento dissimularam, de um modo geral, a inexistência subjacente de transformação estrutural.

Muitos países africanos ainda não passaram pelo tipo de transformação necessária ao desenvolvimento socialmente inclusivo e ambientalmente sustentável a longo prazo: a industrialização. Nos locais onde ocorreu a industrialização, esta melhorou de forma fiável a diversificação económica e ajudou a nutrir, reforçar e defender as condições para o crescimento e o desenvolvimento competitivos.

Nas últimas décadas, alguns países em desenvolvimento — principalmente na Ásia — conseguiram industrializar-se. Contudo, embora tenham tentado repetidas vezes, os países africanos não o fizeram. Em 2014, a percentagem do valor acrescentado da região da Ásia e do Pacífico na indústria transformadora a nível mundial foi de 44,6%, enquanto a de África foi de apenas 1,6%. Sendo a África do Sul o seu único país industrializado, a África Subsariana é a região menos industrializada do mundo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/9qCktZE/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.