Dollar notes VCG/Getty Images

O fim da diplomacia do dólar?

WASHINGTON, DC – Mark Twain nunca chegou realmente a dizer “As notícias sobre a minha morte são manifestamente exageradas”. Mas a falsa citação é demasiado deliciosa para morrer de morte natural. E nunca a ideia que lhe subjaz foi mais relevante do que nas discussões sobre o papel internacional do dólar.

Desde a década de 1960 que os pânditas têm lido os últimos sacramentos à dominação global do dólar – ou seja, há já mais de meio século. Isto pode comprovar-se pelas ocorrências da frase “fim do dólar” em todas as publicações de língua inglesa catalogadas pelo Google.

A frequência destas citações, ajustada pelo número de páginas impressas por ano, deu um primeiro salto em 1969, após o colapso da London Gold Pool, um mecanismo em que cooperaram oito bancos centrais para apoiar a indexação do dólar ao ouro. O uso da frase disparou na década de 1970, após o colapso do sistema de Bretton Woods, de que o dólar era o elemento-chave, e em resposta à elevada inflação que acompanhou as presidências de Richard Nixon, Gerald Ford e Jimmy Carter na década de 1970.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/6xcYQfa/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.