Dollar notes VCG/Getty Images

O fim da diplomacia do dólar?

WASHINGTON, DC – Mark Twain nunca chegou realmente a dizer “As notícias sobre a minha morte são manifestamente exageradas”. Mas a falsa citação é demasiado deliciosa para morrer de morte natural. E nunca a ideia que lhe subjaz foi mais relevante do que nas discussões sobre o papel internacional do dólar.

Desde a década de 1960 que os pânditas têm lido os últimos sacramentos à dominação global do dólar – ou seja, há já mais de meio século. Isto pode comprovar-se pelas ocorrências da frase “fim do dólar” em todas as publicações de língua inglesa catalogadas pelo Google.

A frequência destas citações, ajustada pelo número de páginas impressas por ano, deu um primeiro salto em 1969, após o colapso da London Gold Pool, um mecanismo em que cooperaram oito bancos centrais para apoiar a indexação do dólar ao ouro. O uso da frase disparou na década de 1970, após o colapso do sistema de Bretton Woods, de que o dólar era o elemento-chave, e em resposta à elevada inflação que acompanhou as presidências de Richard Nixon, Gerald Ford e Jimmy Carter na década de 1970.

Mas mesmo esse pico foi ultrapassado pelo aumento de citações, e pelas preocupações correspondentes sobre o dólar a partir de 2001, reflectindo o choque dos ataques terroristas nesse mês de Setembro, o rápido crescimento do défice comercial dos EUA, e finalmente a crise financeira global de 2008.

E contudo, através de tudo isto, o papel internacional do dólar resistiu. Como eu e os meus co-autores mostramos num novo livro, a proporção de dólares nas reservas de moeda estrangeira detidas por bancos centrais e governos em todo o mundo praticamente não se alterou face a estes eventos. A moeda americana continua a ser a moeda dominante nas transacções dos mercados cambiais. Ainda é a unidade em que se expressa o preço do petróleo, e este é comercializado em todo o mundo, não obstante as queixas dos líderes Venezuelanos sobre a “tirania do dólar”.

Para consternação de muitos operadores cambiais, o valor do dólar flutua consideravelmente, como mostraram a sua ascensão, queda e recuperação no decurso do último ano. Mas isto faz pouco para erodir a atractividade do dólar nos mercados internacionais.

The World’s Opinion Page

Help support Project Syndicate’s mission

subscribe now

Os bancos centrais ainda detêm obrigações do Tesouro dos EUA porque o mercado para estas é o mercado financeiro com maior liquidez em todo o mundo. E as obrigações do Tesouro são seguras: o governo federal não se tem atrasado nos seus pagamentos desde a desastrosa Guerra de 1812.

Além disso, as ligações diplomáticas e militares dos EUA encorajam os aliados da América a deterem dólares. Os estados com arsenal nuclear próprio detêm menos dólares que os países que dependem dos EUA para as suas necessidades de segurança. A participação numa aliança militar com um país emissor de moeda de reserva aumenta a proporção das reservas cambiais do parceiro, detidas nessa moeda, em cerca de 30 pontos percentuais. A evidência demonstra, portanto, que a proporção das reservas detidas em dólares cairia sensivelmente na ausência deste efeito.

Esta ligação subestimada entre as alianças geopolíticas e a moeda internacional reflecte uma combinação de factores. Os governos têm razões para estar confiantes de que o país emissor de moeda de reserva encarará o serviço da dívida detida pelos seus aliados com a maior prioridade; por sua vez, esses aliados, ao deterem as suas responsabilidades, podem ajudar a reduzir os custos de endividamento do emissor.

Aqui, e não em qualquer outro imbróglio sobre o tecto da dívida federal no próximo mês de Dezembro, é onde reside a verdadeira ameaça para o domínio internacional do dólar. Como disse um responsável anónimo do Departamento de Estado dos EUA, o presidente Donald Trump “não parece estar preocupado com alianças, e portanto não se preocupa com a diplomacia.”

Pensa-se que a Coreia do Sul e o Japão detêm cerca de 80% das suas reservas internacionais em dólares. Podemos imaginar que o comportamento financeiro destes e de outros países se alteraria grandemente, com implicações adversas para a taxa de câmbio do dólar e para os custos de endividamento dos EUA, caso fracassassem as alianças militares próximas entre a América e os seus aliados.

Nem é difícil imaginar como este fracasso poderia ocorrer. O presidente Donald Trump encurralou-se num canto estratégico: precisa de uma concessão da Coreia do Norte na questão das armas nucleares, para poder salvaguardar a sua posição junto das suas bases, para não falar da comunidade global. E apesar de toda a retórica e postura agressiva de Trump, a única maneira possível de assegurar uma tal concessão é através da negociação. Ironicamente, o resultado mais plausível desse processo será um regime de inspecções não muito diferente do negociado entre a administração de Barack Obama e o Irão.

Para chegar aí, a administração Trump deverá oferecer algo em troca. O instrumento negocial mais óbvio que poderia ser oferecido ao regime norte-coreano, para que este se sentisse mais seguro, seria uma redução nos contingentes militares dos EUA na península coreana, e na Ásia em geral. Com isso, a garantia de segurança dos EUA para a Ásia enfraqueceria, proporcionando por sua vez à China uma oportunidade para ocupar essa brecha geopolítica.

E para onde a China for em termos geopolíticos, a sua moeda, o renminbi, segui-la-á certamente.

http://prosyn.org/6xcYQfa/pt;

Handpicked to read next

  1. Television sets showing a news report on Xi Jinping's speech Anthony Wallace/Getty Images

    Empowering China’s New Miracle Workers

    China’s success in the next five years will depend largely on how well the government manages the tensions underlying its complex agenda. In particular, China’s leaders will need to balance a muscular Communist Party, setting standards and protecting the public interest, with an empowered market, driving the economy into the future.

  2. United States Supreme Court Hisham Ibrahim/Getty Images

    The Sovereignty that Really Matters

    The preference of some countries to isolate themselves within their borders is anachronistic and self-defeating, but it would be a serious mistake for others, fearing contagion, to respond by imposing strict isolation. Even in states that have succumbed to reductionist discourses, much of the population has not.

  3.  The price of Euro and US dollars Daniel Leal Olivas/Getty Images

    Resurrecting Creditor Adjustment

    When the Bretton Woods Agreement was hashed out in 1944, it was agreed that countries with current-account deficits should be able to limit temporarily purchases of goods from countries running surpluses. In the ensuing 73 years, the so-called "scarce-currency clause" has been largely forgotten; but it may be time to bring it back.

  4. Leaders of the Russian Revolution in Red Square Keystone France/Getty Images

    Trump’s Republican Collaborators

    Republican leaders have a choice: they can either continue to collaborate with President Donald Trump, thereby courting disaster, or they can renounce him, finally putting their country’s democracy ahead of loyalty to their party tribe. They are hardly the first politicians to face such a decision.

  5. Angela Merkel, Theresa May and Emmanuel Macron John Thys/Getty Images

    How Money Could Unblock the Brexit Talks

    With talks on the UK's withdrawal from the EU stalled, negotiators should shift to the temporary “transition” Prime Minister Theresa May officially requested last month. Above all, the negotiators should focus immediately on the British budget contributions that will be required to make an orderly transition possible.

  6. Ksenia Sobchak Mladlen Antonov/Getty Images

    Is Vladimir Putin Losing His Grip?

    In recent decades, as President Vladimir Putin has entrenched his authority, Russia has seemed to be moving backward socially and economically. But while the Kremlin knows that it must reverse this trajectory, genuine reform would be incompatible with the kleptocratic character of Putin’s regime.

  7. Right-wing parties hold conference Thomas Lohnes/Getty Images

    Rage Against the Elites

    • With the advantage of hindsight, four recent books bring to bear diverse perspectives on the West’s current populist moment. 
    • Taken together, they help us to understand what that moment is and how it arrived, while reminding us that history is contingent, not inevitable


    Global Bookmark

    Distinguished thinkers review the world’s most important new books on politics, economics, and international affairs.

  8. Treasury Secretary Steven Mnuchin Bill Clark/Getty Images

    Don’t Bank on Bankruptcy for Banks

    As a part of their efforts to roll back the 2010 Dodd-Frank Act, congressional Republicans have approved a measure that would have courts, rather than regulators, oversee megabank bankruptcies. It is now up to the Trump administration to decide if it wants to set the stage for a repeat of the Lehman Brothers collapse in 2008.