Liberia's president-elect and former football star George Weah ISSOUF SANOGO/AFP/Getty Images

Legado Presidencial da Libéria

DALLAS – No mês passado os liberianos testemunharam algo notável: uma transferência pacífica de poder no seu país. Após 12 anos de mandato, Ellen Johnson Sirleaf deixou o cargo de presidente e a antiga estrela de futebol George Weah tomou posse. Foi a primeira vez desde 1944 que um líder democraticamente eleito abriu voluntariamente caminho para outro.

The Year Ahead 2018

The world’s leading thinkers and policymakers examine what’s come apart in the past year, and anticipate what will define the year ahead.

Order now

É certo que umas eleições bem geridas não garantes uma democracia estável. Contudo, numa região frequentemente associada agolpes de estado e a governos autoritários, o progresso da Libéria é digno de celebração, na medida em que pode ajudar a estabelecer as bases para um futuro melhor e mais democrático. Num momento em que o governo representativo da Libéria entra numa nova fase de maturidade, vale a pena reflectir sobre como o país chegou a este ponto.

Em 2005, quando Sirleaf foi eleita, a Libéria encontrava-se numa situação caótica, após 25 anos de guerra civil e ditadura. Poucos previram que Sirleaf, a primeira mulher africana a ser democraticamente eleita como Chefe de Estado, seria capaz de encaminhar o seu país para um rumo melhor. No entanto, apesar do seu mandato não ter sido isento de desafios – a crise do Ébola, a corrupção endémica e as dificuldades orçamentais – foi exactamente o que ela fez.

O legado mais marcante de Sirleaf será provavelmente o reforço dos direitos das raparigas e das mulheres da Libéria. As eleitoras impulsionaram Sirleaf para a vitória; o movimento Acções Massivas para a Paz das Mulheres da Libéria, que ajudou a acabar com a segunda guerra civil da Libéria em 2003, encontrava-se entre os seus apoiantes políticos mais fortes. Durante o seu mandato, Sirleaf aumentou a participação das mulheres em todos os aspectos da sociedade e definiu objectivos para garantir o reforço dos direitos e da protecção das mulheres e das raparigas. Sirleaf, juntamente com outra liberiana, Leymah Gbowee, e uma iemenita, Tawakkol Karman, foi galardoada com o prémio Nobel da paz em 201, em grande medida graças ao seu trabalho neste domínio.

O reforço do papel das mulheres foi apenas um dos domínios em que Sirleaf obteve benefícios. Ela reconheceu que a paz, uma governação sólida e o crescimento seriam os pilares do futuro do seu país. Assim, liderou os esforços destinados a garantir justiça para os abusos dos direitos humanos que ocorreram durante as guerras civis; reanimou a economia através da redução da dívida; reconstruiu as infra-estruturas destruídas pelas guerras; melhorou o acesso à água potável e ao saneamento; e reforçou as instituições democráticas da Libéria, inclusivamente através da promulgação da primeira Lei de Liberdade de Informação do país. Ainda há muito trabalho a ser feito, no entanto, esta evolução não deve ser subestimada.

Tal como Sirleaf observou no discurso de aceitação do Prémio Nobel da Paz, “reconstruir uma nação quase destruída pela guerra e a pilhagem” foi a sua maior prioridade política. Apesar de “não haver nenhum roteiro para a transformação no pós-conflito”, continuou, “sabíamos que não podíamos deixar o país mergulhar de novo no passado”. Por conseguinte, a “maior responsabilidade” do seu governo incidiu na manutenção da paz.

A liderança de Sirleaf serviu como catalisador para uma Libéria mais estável, mais próspera e mais livre. No seu relatório de 2017, intitulado "Liberdade no Mundo", a Freedom House concluiu que a Libéria tinha realizado progressos significativos em matéria de direitos humanos e políticos. O empenho demonstrado por Sirleaf relativamente aos ideais democráticos foi fundamental para permitir estes benefícios, ajudando o seu país a garantir maior apoio internacional.

Por exemplo, em Outubro de 2015, os EUA concederam à Libéria um financiamento de 257 milhões de dólares americanos para iniciativas relativas a energia e a infra-estruturas no âmbito do Millennium Challenge Corporation. Este tipo de assistência é concedida apenas aos países que demonstram melhorias em termos de governação democrática e de desenvolvimento económico.

Não obstante, a Libéria enfrenta muitos desafios intimidantes. Os indicadores de desenvolvimento humano, como a esperança de vida e o rendimento per capita, permanecem bastante abaixo da média regional. Uma economia débil e uma inflação crescente colocam igualmente em causa a estabilidade económica. O novo presidente da Libéria deverá concentrar-se nestas e noutras questões para garantir a evolução contínua.

Para começar, Weah deve continuar o trabalho de Sirleaf investindo nas mulheres e nas raparigas; afinal de contas, a melhoria da igualdade entre os géneros é um catalisador comprovado de aumento da prosperidade nacional. Além disso, Weah e o seu governo deveriam adoptar a declaração de Sirleaf que defende que “a pobreza, o analfabetismo, as doenças e as desigualdades não têm lugar no século XXI”. O reforço do papel dos liberianos é a única maneira de manter o país na sua trajectória positiva.

Finalmente, à semelhança de Sirleaf, o governo de Weah deve adoptar o estabelecimento de coligações e compromisso activo e ao nível local, regional e global. A cooperação será essencial para reforçar as parcerias já existentes e abrir novas vias para o desenvolvimento.

A Libéria conta agora com um sistema democrático que apoiará o progresso contínuo. No entanto, este sistema não pode ser um dado adquirido. Pelo contrário, Weah deve basear-se no bom trabalho realizado pela sua antecessora para reforçá-lo e sustentá-lo. Ao promover e aprofundar a democracia do seu país, os liberianos e o seu novo Presidente poderão garantir um futuro melhor.

http://prosyn.org/QwMPPxy/pt;

Handpicked to read next