kazakh president resigns Rasit Aydogan/Anadolu Agency/Getty Images

Quais são os próximos passos para o Cazaquistão?

ASTANA –No dia 19 de março, o único presidente que o Cazaquistão independente já conheceu, Nursultan Nazarbayev, anunciou a sua renúncia após quase três décadas de poder quase absoluto. Num discurso transmitido pela televisão, Nazarbayev elogiou as conquistas do país e apelou aos jovens para construírem um futuro brilhante.

No entanto, não foi uma verdadeira despedida, porque Nazarbayev disse que não estava a sair do cenário político. A grande questão agora é quais são os próximos passos para o Cazaquistão.

Embora a renúncia de Nazarbayev tenha sido uma surpresa, a sua promessa de permanecer na política levou anos para ser feita. Antes, ele recebeu os títulos de Primeiro Presidente (2000), Líder da Nação (2010) e, em 2017, Elbasy, uma palavra cazaquistanesa que significa chefe da nação ou do povo. Devido à sua missão histórica, concederam-lhe o direito vitalício de apresentar iniciativas sobre a construção do Estado, a política interna e externa e a segurança nacional. Além disso, os órgãos do Estado do Cazaquistão são obrigados a considerar as suas propostas.

O Primeiro Presidentetambém lidera a Assembleia do Povo da República do Cazaquistão e o Conselho de Segurança (que foi elevado de órgão consultivo para um órgão constitucional em 2018), e é membro do Conselho Constitucional. Nazarbayev, a sua família e as suas propriedades e contas bancárias também receberam imunidade total contra processos judiciais. Além disso, ele é presidente do partido no poder Nur Otan.

Esta saída não deixa de ter semelhanças com a semipartida do pai fundador de Singapura, Lee Kuan Yew, e é muito diferente da renúncia e reforma política total em 1999 de Boris Yeltsin, primeiro presidente independente da Rússia. Singapura sempre foi uma grande inspiração para Nazarbayev, que sempre teve um grande respeito por Lee. Eficaz e altamente respeitado a nível nacional e internacional, Lee encabeça a pequena lista de líderes que faziam o autoritarismo parecer bom.

Nazarbayev gostaria de seguir os passos de Lee em tornar-se um estadista mais velho, evitando assim o destino menos agradável de outros governantes autoritários. Ele está, certamente, bem ciente da fragilidade do poder. Ele tornou-se o líder do Cazaquistão no meio do tumultuado colapso da União Soviética e testemunhou a queda de homólogos autoritários em todo o mundo.

Subscribe now
ps subscription image no tote bag no discount

Subscribe now

Get unlimited access to OnPoint, the Big Picture, and the entire PS archive of more than 14,000 commentaries, plus our annual magazine, for less than $2 a week.

SUBSCRIBE

Renunciar e ter de confiar em novos líderes cazaquistaneses deve, portanto, ter sido uma decisão difícil. O histórico de Nazarbayev no cargo, marcado por escândalos de corrupção, é mais controverso do que o de Lee e ele sentiu-se traído pela sua própria família quando o seu genro tentou um coup d’état, há mais de uma década.

Além da sua segurança pessoal, Nazarbayev está ansioso para garantir o seu legado como estadista e pai fundador. Equilibrar esses dois objetivos não será fácil. Ele poderia garantir melhor a sua segurança mantendo o status quo e continuando a exercer um rigoroso controlo político e económico. Por outro lado, abrilhantar o seu legado exigirá reformas que impulsionem ainda mais o desenvolvimento e a prosperidade. Para além do desafio, há uma acumulação de problemas internos e um ambiente internacional mais perigoso e imprevisível.

Os cuidadosos preparativos para a pós-presidência de Nazarbayev sugerem que a sua demissão seja, provavelmente, parte de uma estratégia a longo prazo. Como estipula a Constituição do Cazaquistão, o porta-voz do Senado, Kassym-Jomart Tokayev, leal a Nazarbayev, foi nomeado presidente até ao final do atual mandato presidencial em 2020. A filha dele, Dariga Nazarbayeva, foi eleita para ser a nova porta-voz do Senado.

Embora haja poucas pistas sobre o que acontecerá a seguir, a especulação tende a concentrar-se em três questões: relações de poder político, descontentamento social e culto à personalidade de Nazarbayev.

Nazarbayev construiu um sistema político que combina a governação tecnocrática ao estilo de Singapura com a lealdade feudal. É verdade que o Cazaquistão fez alguns progressos na promoção de um estado profissional. Mas, ao contrário de Lee, Nazarbayev não construiu instituições fortes, tais como um sistema político-partidário competitivo ou um sistema judiciário independente. Isso tornará a transição política particularmente difícil, porque as instituições precisarão de ser construídas durante o processo.

Alguma descentralização do poder parece inevitável. Se o atual sistema altamente presidencial permanecer intacto, Nazarbayev e o seu sucessor provavelmente manterão um duopólio. Mas se o novo presidente não puder consolidar suficientemente o poder - uma possibilidade distinta - então surgirão múltiplos agentes de poder, sem grupos fortes para ajudar a canalizar as suas diferenças. Neste cenário, até mesmo Nazarbayev poderá não ser capaz de manter os conflitos resultantes sob controlo.

Neste contexto, os protestos recentes e contínuos poderão ser precursores de transtornos mais sérios no futuro. Embora atualmente não haja exigências claras para obter uma democracia, há uma crescente insatisfação com as injustiças sociais. E, medidas ad hoc à parte, o Cazaquistão atualmente não tem nenhum mecanismo para canalizar e lidar com queixas populares.

Por fim, ao contrário de Lee, Nazarbayev acabou por incentivar o seu próprio culto à personalidade. Funcionários públicos e cidadãos comuns elogiam da mesma forma a genialidade, a sabedoria, a devoção e outras qualidades do presidente. Há monumentos em sua homenagem por todo o país. A universidade e as escolas mais avançadas, a avenida central em Almaty e o aeroporto da capital, Astana, tinham todos o nome dele antes da renúncia.

O culto está a ficar mais forte. No dia 20 de março, o parlamento do Cazaquistão votou para renomear a capital Nursultan (embora ainda não se saiba se o processo de votação estava totalmente de acordo com a constituição) e muitas cidades renomearam as suas ruas centrais depois de Nazarbayev. Isso está a originar preocupações entre alguns setores da população - uma reação que o governo não deveria ignorar.

É bastante provável que o culto irá suavizar com o tempo. Mas é improvável que seja totalmente desconstruído, porque seria impossível (e injusto) dissociar Nazarbayev da narrativa da independência do Cazaquistão. É por isso que a renúncia de Nazarbayev marca um momento crucial para o Cazaquistão. Ele chegou ao poder num momento de mudança profunda e inesperada, e a sua semipartida poderá ter consequências igualmente imprevisíveis.

http://prosyn.org/BnRZSeQ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.