wolfgang schauble Wiktor Dabkowski/ZumaPress

As nuvens negras de Schäuble

ATENAS – A crise da Europa está prestes a entrar na sua fase mais perigosa. Após a Grécia ter sido forçada a aceitar outro acordo de resgate “extend-and-pretend” (prolongar e fazer-de-conta), estão a ser definidas novas estratégias de combate. Além disso, com o afluxo de refugiados a tornar evidentes os danos causados por perspectivas económicas divergentes e por taxas de desemprego juvenil extremamente elevadas na periferia da Europa, as ramificações são nefastas, conforme deixaram ficar claro as declarações recentes de três políticos europeus: o Primeiro-Ministro italiano Matteo Renzi, o Ministro da Economia francês Emmanuel Macron, e o Ministro das Finanças alemão Wolfgang Schäuble.

Renzi esteve perto de conseguir desmantelar, pelo menos de forma retórica, as regras orçamentais que a Alemanha há muito defende. Num notável gesto de desafio, ameaçou voltar a submeter o orçamento nacional da Itália sem qualquer alteração caso a Comissão Europeia o rejeitasse.

Não foi a primeira vez que Renzi alienou os líderes alemães. E não foi por acaso que a sua declaração foi proferida após um esforço, que durou meses, por parte do seu Ministro das Finanças, Pier Carlo Padoan para demonstrar o empenho da Itália relativamente às “regras” da zona euro apoiadas pela Alemanha. Renzi entende que o apoio a esta parcimónia inspirada pela Alemanha está a conduzir a economia e as finanças públicas da Itália a uma estagnação mais profunda e ao agravamento do rácio da dívida em relação ao PIB. Enquanto político consumado, Renzi sabe que se trata de um percurso curto para o desastre eleitoral.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/3bWTBQ2/pt;