A Crise Auto-Infligida de Erdoğan

PRINCETON – A batalha dramática entre o Partido da Justiça e do Desenvolvimento (AKP), no poder na Turquia, e o seu aliado de antanho, o movimento religioso “Hizmet” liderado pelo auto-exilado clérigo Fethullah Gülen, começou a expor as enormes violações ao estado de Direito que estes dois grupos utilizaram para consolidar o seu poder. Os acusadores que muitos crêem ser simpatizantes de Gülen lançaram um abrangente processo de investigação de corrupção, que arrastou até agora quatro ministros e que envolve até o filho do Primeiro-Ministro Recep Tayyip Erdoğan.

Agora, Erdoğan e os seus conselheiros ripostaram. Acusam os Gülenistas de montar um “golpe burocrático” e de se envolverem num conjunto alargado de golpes baixos, desde “produzir provas” contra generais que foram acusados no ano passado de conspirar para derrubar o governo de Erdoğan até “escutas extensivas não-autorizadas”.

Os julgamentos de referência dos alegados conspiradores de golpe militar na Turquia são hoje amplamente reconhecidos por aquilo que foram – caças às bruxas baseadas em provas que eram no mínimo frágeis, e muitas vezes apenas inventadas. Os julgamentos foram encenados pela polícia, por procuradores e pelos meios de comunicação Gülenistas. Mas tiveram o apoio crucial do governo de Erdoğan, que os apoiou. O actual esforço do campo de Erdoğan para lavar as suas mãos destes julgamentos e colocar toda a culpa sobre os Gülenistas é desonesto, para não dizer mais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/oz0OM5u/pt;