Andreas Wecker/Flickr

Piketty e o Zeitgeist

PRINCETON – Ultimamente, onde quer que vá e com quem quer que me encontre, sou invariavelmente abordado com a mesma questão: O que pensa de Thomas Piketty? Na realidade são duas questões numa só: O que pensa de Piketty, o livro, e o que pensa de Piketty, o fenómeno?

É muito mais fácil responder à primeira questão. Por pura sorte, fui um dos primeiros leitores da versão inglesa do Capital in the Twenty-First Century("Capital no Século XXI", NdT.). A editora de Piketty, a Harvard University Press, enviara-me uma pré-publicação do livro, na esperança de que eu contribuísse com uma sinopse para a contracapa. Fi-lo de bom grado, uma vez que considerei o âmbito, a profundidade e a ambição do livro impressionantes.

É claro que eu conhecia o trabalho empírico sobre distribuição dos rendimentos que Piketty realizara em conjunto com Emmanuel Saez, Anthony Atkinson e outros. Este trabalho já havia originado novas conclusões alarmantes sobre o aumento dos rendimentos dos super-ricos. Demonstrara que a desigualdade em muitas economias avançadas tinha atingido níveis não observados desde o início do século XX. Era em si um verdadeiro tour de force.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/4gxYQO5/pt;