A man walks on crutches at Mulago hospital in Kampala SUMY SADURNI/AFP/Getty Images

A ameaça do cancro ao futuro de África

CHICAGO –Um dos desafios de saúde pública mais prementes em África, hoje, é também um dos menos noticiados: o cancro, uma das principais causas de morte no mundo. Todos os anos, cerca de 650 mil africanos são diagnosticados com cancro e mais de meio milhão morre derivado à doença. Nos próximos cinco anos, poderá haver mais de um milhão de mortes por cancro anualmente em África, um crescimento da mortalidade que tornaria o cancro num dos principais assassinos do continente .

Por toda a África Subsariana têm sido feitos progressos gigantescos no combate às doenças infecciosas mortais. Nas décadas recentes, a cooperação internacional e local reduziu as mortes devido à malária, em África, até 60% , deixou a poliomielite à beira da erradicação e prolongou a vida de milhões de africanos infetados com o VIH/SIDA.

Infelizmente, não foram feitas melhorias semelhantes na luta contra doenças não transmissíveis (DNT), incluindo o cancro. Hoje, o cancro mata mais pessoas nos países em vias de desenvolvimento do que a SIDA, a malária e a tuberculose juntas. Mas, com África a receber apenas 5% do financiamento global para a prevenção e o controlo do cancro, o avanço da doença ultrapassa os esforços para a conter. Tal como o mundo se uniu para ajudar a África a vencer os surtos de doenças infecciosas, também é necessária uma abordagem de colaboração similar para travar a crise do cancro.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

http://prosyn.org/VvyJtI3/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.