A Rotação Asiática da Europa

CAMBRIDGE/OXFORD – A chamada “rotação para a Ásia” da administração Obama é a mais importante mudança estratégica empreendida pelos Estados Unidos desde o fim da Guerra Fira – e tem implicações profundas para a Europa. Mas os líderes da Europa têm ignorado grandemente ou interpretado mal o seu significado, e por isso não têm aproveitado a oportunidade que representa.

Por exemplo, há na Europa quem acredite que o interesse da América pela Ásia seja um desenvolvimento recente. Mas, como o Presidente Barack Obama disse em 2011, “Os EUA têm sido, e sempre serão, uma nação do Pacífico.” O objectivo desta mudança é garantir que os EUA desempenhem “um papel maior e de longo prazo na definição desta região”, onde têm desde há muito ajudado a manter a estabilidade e contribuído para um crescimento económico sem precedentes. Perante isto, a rotação da América deveria ser encarada mais como uma consolidação de políticas estabelecidas do que como uma mudança abrupta e de curto prazo.

O âmbito desta política também é amplamente incompreendido. Embora a política inclua um reequilíbrio da postura militar da América na Ásia – em 2020, a Marinha dos EUA destinará uma maior parte das suas forças, incluindo seis dos seus 11 grupos de porta-aviões, ao Oceano Pacífico – cobre todo o espectro da diplomacia, da economia, do desenvolvimento, da cultura, e das relações inter-societais.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/nyPMOEK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.