A verdade sobre a soberania

CAMBRIDGE – No recente debate sobre o tratado orçamental europeu, que teve lugar no Parlamento francês, o governo socialista de França negou veementemente que a ratificação do tratado iria minar a soberania francesa. O tratado não coloca “nenhuma coacção a nível da despesa pública”, afirmou Jean-Marc Ayrault, o primeiro-ministro. “A soberania orçamental permanece no parlamento da República Francesa”.

Enquanto Ayrault tentava tranquilizar os seus colegas cépticos, incluindo muitos membros do seu próprio partido, o comissário europeu responsável pela concorrência, Joaquin Almunia, distribuía uma mensagem semelhante aos seus colegas sociais-democratas, em Bruxelas. Para ter sucesso, argumentou, a Europa tem de provar aos que acreditam na existência de um conflito entre a globalização e a soberania, que estão errados.

Ninguém gosta de abrir mão da soberania nacional, muito menos, ao que parece, os políticos de esquerda. No entanto, ao negar o facto evidente de que a viabilidade da zona euro depende de restrições substanciais da soberania, os líderes europeus estão a enganar os seus eleitores, atrasando a europeização da política democrática e elevando os custos políticos e económicos do irrevogável resultado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/hGptp60/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.