Unir as Frotas da Europa

PARIS – Das 23 forças navais da Europa, apenas a França possui um porta-aviões completamente operacional, o navio-almirante de 40.000 toneladas Charles de Gaulle. Embora o Reino Unido esteja actualmente a construir dois porta-aviões, a Royal Navy está a anos de distância da capacidade de entregar poder aéreo instantâneo a partir do mar. Não obstante, a Europa está razoavelmente equipada para se defender contra ameaças externas. Está menos capaz, no entanto, de enfrentar cortes orçamentais iminentes. 

A estratégia da segurança marítima da Europa é desde há muito fundada em dois princípios básicos. Em primeiro lugar, as rotas comerciais marítimas, responsáveis por quase 85% do total de exportações e importações da União Europeia, devem ser mantidas livres e seguras. E, em segundo lugar, os países Europeus devem manter a capacidade de responder a qualquer crise importante de segurança.

Os acontecimentos internacionais destacam a relevância destas prioridades. Por exemplo, as tensões crescentes com o Irão poderão levar a Europa a enviar as suas marinhas de guerra num bloqueio à volta do Golfo Pérsico, de modo a garantir o trânsito do petróleo. Similarmente, a pirataria no Golfo da Guiné e no Oceano Índico, especialmente ao longo da costa da Somália, ameaça as actividades marítimas da Europa, incluindo o seu extensivo comércio por via marítima.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/2QFg4Gt/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.