Estarão os EUA a perder a América Latina?

MADRID – Cada vez se ouve mais por todo o mundo que o poder dos EUA está em declínio. E na América Latina este facto parece mais verdadeiro do que em qualquer outro local. A região já não é considerada como o "quintal" dos Estados Unidos, ao contrário, não restam dúvidas de que o continente nunca esteve tão unido e independente. Mas esta perspectiva não consegue captar a verdadeira natureza da influência que os EUA têm na América Latina, ou em outros locais.

É certo que a atenção que os EUA dedicam à América Latina tem vindo a diminuir nos últimos anos. O presidente George W. Bush estava mais focado na sua "guerra global contra o terrorismo". O seu sucessor, Barack Obama, também não parecia dedicar muita atenção à região, pelo menos durante o seu primeiro mandato.

Na verdade, aquando da Cimeira das Américas, que teve lugar em Cartagena, em Abril de 2012, os líderes latino-americanos sentiram-se suficientemente confiantes e uniram-se para desafiar as prioridades dos Estados Unidos na região. Apelaram aos EUA para que levantassem o embargo a Cuba, alegando que este tinha prejudicado as relações com o resto do continente, e para que envidassem mais esforços para combater o uso de drogas no seu próprio território, através da educação e do trabalho social, ao invés de fornecerem armas para combater os barões da droga na América Latina - uma batalha reconhecida por todos como um fracasso absoluto.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/NIuityA/pt;