O problema é o autoritarismo, não é o Islão

PRINCETON – Será que o Islão é essencialmente incompatível com a democracia? O tempo, e mais uma vez os eventos, obrigam-nos a fazer esta pergunta. E ainda assim é uma questão que confunde mais do que aquilo que esclarece.

A Turquia, o Egipto e a Tunísia são países muito diferentes, mas se há algo que eles partilham são os governos islâmicos (pelo menos até há bem pouco tempo, no caso do Egipto). Em diferentes situações, estes governos debilitaram as suas credenciais democráticas ao não protegerem os direitos civis e humanos e ao empregarem tácticas com mão pesada contra os seus adversários. Apesar de repetidas garantias, os líderes islâmicos têm mostrado pouco interesse na democracia para além de ganharem as eleições.

Por isso, aqueles que acreditam que a remoção do governo do Presidente egípcio, Mohamed Morsi, foi justificada têm uma certa razão. À medida que o governo da Irmandade Muçulmana se tornava cada vez mais autoritário, ele esmagava os ideais e as aspirações da revolução na Praça Tahrir que derrubou o ex-presidente Hosni Mubarak, em 2011.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/aA4MiLa/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.