O Capitalismo Falhou?

NOVA IORQUE – Até seis dias antes do colapso do Lehman Brothers, há cinco anos atrás, a agência de notação Standard & Poor’s manteve a notação do nível de investimento da empresa em “A”. A Moody’s esperou ainda mais, desvalorizando o Lehman um dia útil antes de este ter colapsado. Como puderam agências de notação reputadas – e bancos de investimento – avaliar tão mal as coisas?

Aos reguladores, banqueiros, e agências de notação cabe uma grande parte da culpa pela crise. Mas o quase-colapso não foi tanto um fracasso do capitalismo, mas antes um fracasso dos modelos económicos contemporâneos no entendimento do papel e do funcionamento dos mercados financeiros – e, de um modo mais amplo, da instabilidade – nas economias capitalistas.

Estes modelos forneciam o apoio supostamente científico às decisões políticas e às inovações financeiras que tornaram a pior crise desde a Grande Depressão mais provável, senão inevitável. Depois do colapso do Lehman, o antigo Presidente da Reserva Federal, Alan Greenspan, testemunhou perante o Congresso dos EUA que tinha “encontrado uma falha” na ideologia de que o interesse próprio protegeria a sociedade dos excessos do sistema financeiro. Mas o mal já estava feito.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/hKP9VWw/pt;