O Sonho Europeu Reinventado

PRINCETON – A crise europeia e o recente Jubileu da Rainha Isabel II parecem não ter nada em comum. Mas de facto, em conjunto transmitem uma lição importante: o poder de uma história positiva - e a impossibilidade de vencer na sua ausência.

No comentário que fez à BBC sobre o cortejo fluvial e desfile equino do Jubileu, o historiador Simon Schama referiu "pequenos barcos e grandes ideias". A ideia maior era a de que a monarquia britânica serve para ligar o passado do país ao seu futuro, de um modo que transcende as politicas mesquinhas e feias do quotidiano. Esta herança real que data de há mais de um milénio - o simbolismo constante de coroas e coches e a personificação literal do estado inglês e agora britânico - une os britânicos numa viagem comum.

Os cínicos podem apelidar esta situação como a velha rotina de pão e circo. Mas o objectivo é o de focar os olhares e os corações numa narrativa de esperança e propósito - para elevar o público, em vez de o distrair. Será suposto os gregos, os espanhóis, os portugueses e outros europeus terem de adoptar um programa de austeridade, porque são considerados perdulários e preguiçosos pelos alemães e por outros países do norte? Esta forma de expressão é conflituosa, cria ressentimentos e divisões, justamente no momento em que a união e a partilha do fardo são mais necessárias.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/23m4Aa1/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.