Paquistão no precipício

ISLAMABAD - O presidente paquistanês Asif Ali Zardari regressou abruptamente para Karachi na manhã de 19 de dezembro, após 13 dias de ausência para tratamento médico no Dubai, onde viveu durante o exílio. O governo não emitiu uma declaração formal sobre a saúde de Zardari, mas os seus apoiantes divulgaram que ele tinha sofrido um pequeno acidente vascular cerebral que o deixou inconsciente por alguns minutos.

O súbito regresso de Zardari alimentou especulações sobre o seu futuro, mas, mais importante ainda, sobre o futuro do regime civil no Paquistão. A sua decisão de voltar foi tomada após uma reunião de três horas entre o primeiro-ministro Yusuf Raza Gilani e o general Ashfaq Pervez Kayani, chefe do exército paquistanês. O seu destino escolhido - Karachi, maior cidade do Paquistão e sua base política, ao invés de Islamabad, capital do país - sugere a profundidade da crise que agora borbulha sob a superfície. 

Zardari está no poder desde 2008, tendo sido eleito oito meses após o assassinato da sua esposa, Benazir Bhutto. Mesmo depois de uma emenda constitucional em 2010 ter tornado o primeiro-ministro no chefe-executivo do país, Zardari continuou a ser o principal decisor. A sua ascensão política está, assim, em conformidade com a tradição do sul da Ásia de uma política dinástica quase democrática: ele assumiu a liderança do Partido Popular do Paquistão de Bhutto (PPP) - fundado em 1967 pelo pai da sua mulher, Zulfikar Ali Bhutto - e nomeou o seu filho Bilawal copresidente do partido, baseando a sua decisão num testamento manuscrito deixado pela sua esposa. Para realçar a ligação, o filho passou a chamar-se Bilawal Bhutto Zardari.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/jJMPkqJ/pt;