Kryssia Campos/Contributor

A cidade gerida por dados

SAN JOSÉ – Quando olha para o seu telefone ou tablet, o que vê? Pixels? Imagens? Distracções digitais? Eu vejo dados.

Todos os dias, geramos quantidades enormes de informações, um rasto de migalhas binário que desenha um mapa dos nossos interesses, hábitos, e interacções. Para nós, que trabalhamos na área do planeamento urbano, estes conjuntos de dados díspares representam uma mina de ouro de oportunidades. Devidamente aproveitados, os dados gerados pelos utilizadores podem ajudar os urbanistas a construir cidades mais alinhadas com as necessidades reais das pessoas.

Só existe um problema: o mundo está praticamente afogado em dados. Para poderem usar todas as informações involuntariamente produzidas pelas pessoas, os urbanistas têm de melhorar o modo como os dados são capturados, analisados, e partilhados pelos sectores público e privado. Se formos bem-sucedidos, alguns dos maiores obstáculos enfrentados pelo mundo, da pobreza às alterações climáticas, poderão tornar-se algo mais geríveis.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/WK9eE2z/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.